Seca

Todas as bacias hidrográficas aumentam reservas de água em março

Barragem. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens
Barragem. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens

Todas as bacias hidrográficas portuguesas aumentaram a quantidade de água armazenada em meados de março

Todas as bacias hidrográficas portuguesas aumentaram a quantidade de água armazenada em meados de março relativamente a valores de final de fevereiro, com o Sado a chegar a 47%, segundo dados a que a Lusa teve acesso.

Quanto às albufeiras, das 60 monitorizadas pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) , 22 apresentaram disponibilidades superiores a 80% do total possível, depois das chuvas dos últimos dias.

Sete das albufeiras ainda tinham disponibilidades inferiores a 40%, quando a 09 de março eram 12.

Entre as albufeiras avaliadas na quinta-feira a apresentar menos de 40% de volume, correspondendo a cerca de 11% do total das seguidas, três estavam na bacia do Sado.

As restantes estavam na bacia do Guadiana (três) e na bacia do Tejo (uma).

Os armazenamentos por bacia hidrográfica apresentaram-se inferiores às médias de armazenamento para março (1990/91 a 2016/17) em seis bacias, ou seja, nas ribeiras do Oeste (têm 48,1% contra a média de 70%), no Sado (47,3% contra 66,5%), no Mira (62% contra 82%), no Guadiana (73,4% contra 83,7%), no Barlavento (51,5% contra 82,4%) e no Arade (48,7% contra 59,1%).

O Ave apresentou 100% de armazenamento e o Tejo 83%, enquanto o Lima e o Douro tinham 77,8%, com percentagens acima da média.

O aumento do volume na bacia do Sado deve-se a “afluências próprias”, passando de 29% para 47,3%.

As bacias do Lima, Ave e Tejo registaram a maior subida relativamente aos valores registados no final de fevereiro.

Apesar das subidas relativamente a fevereiro, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, alertou na sexta-feira que as bacias hidrográficas a sul do Tejo, apesar da chuva que tem caído, ainda “têm menos água do que é comum” para a época do ano.

“De uma maneira geral, as bacias hidrográficas a sul do Tejo, mesmo com a recuperação que tiveram, têm menos água do que é comum”, afirmou o ministro, após uma visita à Barragem do Pego do Altar, no concelho de Alcácer do Sal, distrito de Setúbal.

João Matos Fernandes participa, a partir de segunda-feira, no Fórum Mundial da Água, em Brasília.

Mais de 30 mil pessoas juntam-se em Brasília, com Portugal a ter a maior presença de sempre no Fórum Mundial, para debater este recurso nas componentes política, técnica, regional e jurídica.

É a primeira vez que um Fórum Mundial da água, que vai na 8.ª edição, se realiza num país de língua portuguesa e Portugal decidiu apostar forte na iniciativa, com a presença de vários elementos, não só políticos, como técnicos, empresários e especialistas do setor.

No decorrer de diversas iniciativas, de sessões de informação para cidadãos, para jovens e para crianças, a reuniões entre responsáveis políticos, organizações ou empresas, o tema água divide-se em vários debates, já que este recurso se relaciona com todas as áreas da vida, da saúde pública, pobreza, agricultura e alimentação, organização urbana ou energia, além da relação próxima com as alterações climáticas.

O Fórum Mundial da Água, que decorre de segunda-feira a sexta-feira, é o maior evento global sobre este recurso, com organização do Conselho Mundial da Água, entidade internacional que reúne agentes relacionados com o tema, com a missão de promover a consciencialização, construir compromissos políticos e levar a ações para facilitar a conservação, proteção, desenvolvimento, gestão e uso eficiente, com base na sustentabilidade ambiental.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Todas as bacias hidrográficas aumentam reservas de água em março