Impostos

AHRESP aplaude clarificação no Imposto do Selo

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

Parlamento aprovou diploma que clarifica quem paga o novo Imposto do Selo nas transações com cartões. AHRESP aplaude solução.

A associação AHRESP está satisfeita com a aprovação do diploma que clarifica que o encargo com imposto de selo sobre comissões cobradas por transações com cartões bancários recai sobre a instituição financeira e não sobre os comerciantes.

“Congratulamos a Assembleia da República pela sua aprovação, sem qualquer voto contra, do diploma”, disse Pedro Carvalho, da Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), à Lusa, acrescentando que tal permitirá às empresas “serem desoneradas de mais custos a que estavam a ser sujeitas”.

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um diploma que clarifica que o encargo com imposto de selo sobre comissões cobradas por transações pagas com cartões bancários recai sobre a instituição financeira e não sobre os comerciantes.

A associação estimava um impacto nas empresas na ordem dos 150 milhões de euros e na ordem dos 3,5 milhões de euros por ano apenas no canal horeca (hotelaria, restauração e cafés).

“É um custo elevadíssimo. Continuamos a ter as taxas mais elevadas da Europa no que concerne as taxas de meio de pagamento eletrónico, cartões de débito e crédito, na ordem de 1,5% entre o débito e o crédito”, disse.

Por esta razão, a associação está a estudar, em parceria com uma entidade internacional, um meio de pagamento alternativo através de ‘smartphone’, sem qualquer taxa e que melhore a competitividade das empresas.

Apenas com a abstenção do PSD, a Assembleia da República aprovou sem votos contra o texto final saído da Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças – documento que, por sua vez, resultou de uma síntese de projetos apresentados pelas bancadas do PS, PCP e Bloco de Esquerda.

Esta “clarificação” agora introduzida no Código de Imposto de Selo resultou do facto de ter chegado ao conhecimento do parlamento que operadores de pagamento estavam a fazer repercutir o encargo do imposto de selo sobre os comerciantes.

“O imposto de selo é devido pela entidade que cobra as taxas relativas a operações de pagamento baseadas em cartões, pelo que será sempre devido pela respetiva instituição financeira. Face ao exposto, tornou-se imperioso clarificar esta disposição, distinguindo o titular do interesse económico consoante a natureza da operação financeira desenvolvida, designadamente especificando que nas comissões devidas pelas operações financeiras o titular do interesse económico deve ser a entidade beneficiária de tal comissão”, lê-se no diploma.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Mário Centeno, ministro das Finanças, com Pierre Moscovici, comissário europeu. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Governo promete a Bruxelas ser bom aluno em 2018

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Mínimo de existência acaba com IRS para 54 mil recibos verdes

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
AHRESP aplaude clarificação no Imposto do Selo