Alemanha

Alemanha disposta a pagar mais à UE embora dentro de “certos limites”

EPA/CLEMENS BILAN
EPA/CLEMENS BILAN

O ministro das Finanças alemão reiterou hoje que a Alemanha está disposta a aumentar a dotação financeira para o orçamento da União Europeia

O ministro das Finanças alemão reiterou hoje que a Alemanha está disposta a aumentar a dotação financeira para o orçamento da União Europeia (UE) dentro de certos limites e na condição de o dinheiro ser utilizado de forma eficaz.

Numa entrevista publicada hoje no diário Suddeutsche Zeitung, o social-democrata Olaf Scholz, indicou que a nova coligação governamental alemã deu um “passo importante” ao admitir que, com a saída do Reino Unido da UE (“Brexit”), terá de desembolsar mais dinheiro.

“Até agora, muitas das discussões sobre a UE esbarravam com a declaração de que a Alemanha não queria pagar, mas, depois, acabava por pagar. Esse comportamento contraditório trouxe o ceticismo de muitos cidadãos em relação ao projeto europeu. Por isso, é importante esclarecer as coisas”, sublinhou Scholz.

Porém, o governante sublinhou que a Alemanha não está disposta a acudir a todas as emergências ou problemas que advirão com a saída do Reino Unido, defendendo que os outros Estados membros também terão de dar a sua contribuição.

“Não queremos nem podemos pagar por todos”, referiu Scholz, sublinhando que, nesse aspeto, não se diferenciará muito do seu antecessor, o conservador Wolfgang Schauble, conhecido por defender a austeridade na Europa.

“Um ministro das Finanças alemão é, antes de mais, o ministro da Defesa alemão”, frisou.

Scholz não adiantou quanto será a contribuição adicional da Alemanha, optando por lembrar que o importante é que o dinheiro “traga benefícios claros”.

“Há algumas áreas em que a Europa terá de ter maior capacidade de ação, como nas políticas externa, segurança e defesa das fronteiras, bem como em garantir a segurança bancária, a moeda comum e os mercados financeiros”, avisou.

Scholz adiantou, por outro lado, que a Alemanha continuará a insistir na criação, na Europa, de um imposto às transações europeias, cuja receita deverá destinar-se ao orçamento dos “28”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Alemanha disposta a pagar mais à UE embora dentro de “certos limites”