OE 2018

Alojamento local só escapa a mais-valias se passar a aluguer

(DR)
(DR) Fotografia: Ana Margarida Pinheiro

Mudança OE 2018 clarifica que apenas enquanto a casa estiver em arrendamento pode ter o pagamento de mais-valia suspenso

Os proprietários que retirem os seus imóveis do regime de alojamento local e passem a disponibilizá-los no mercado de arrendamento permanente vão ser poupados ao pagamento de mais-valias. Este empurrão ao arrendamento integra a proposta do governo para o Orçamento do Estado de 2018 e entra em vigor a partir de janeiro. A confirmar-se será o único refúgio de que os hosts passarão a gozar, caso desistam do alojamento local.

A desafetação de um imóvel do alojamento local e a sua retirada desta atividade já estava sujeita ao pagamento de mais-valias, mas a forma como a norma estava redigida deixava lugar a dúvidas sobre se haveria ou não lugar ao pagamento do imposto. No OE 2018, a dúvida é desfeita, ficando claro que apenas não há lugar ao apuramento e ao pagamento de mais-valias quando a casa “seja afeta à obtenção de rendimentos da categoria F [rendas] mantendo-se o diferimento da tributação do ganho enquanto o imóvel mantiver aquela afetação”.

Esta nova redação, caso venha a ser vertida da lei do Orçamento do Estado que entra em vigor em janeiro de 2018, pode vir a gerar novas dúvidas. Como precisa António Gaspar Schwalbach, advogado e responsável pela equipa fiscal da Telles, não existe atualmente forma de provar que uma casa está afeta ao arrendamento, a não ser através do contrato e do respetivo valor das rendas. “Mas o que é que acontece se a casa estiver no mercado e disponível, mas ninguém a quiser arrendar?”, questiona, acentuando que a declaração do IRS apenas tem campos para se declarar as rendas.

A questão do apuramento e do pagamento de mais-valias na sequência da afetação e desafetação de um imóvel do alojamento local é considerada absurda por muitos fiscalistas e juristas, que acreditam também que este é um dos entraves à legalização desta atividade. E defendem que o pagamento apenas devia ocorrer em caso de venda efetiva do imóvel.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Alojamento local só escapa a mais-valias se passar a aluguer