estudo

Ameaças externas colocam em risco oportunidades da economia portuguesa

Economia

O protecionismo nos EUA e a desintegração europeia expressa no Brexit são algumas das ameaças apontadas ao desenvolvimento da economia nacional.

Um estudo da Iberinform, divulgado esta quinta-feira, sobre a Economia Portuguesa, afirma que as ameaças externas que se colocam à economia nacional superam as oportunidades. Entre as principais ameaças, a análise destaca a “inflexão protecionista nos Estados Unidos, a desintegração europeia, manifesta no equivocado Brexit e o crescimento da intolerância perante as diferenças”.

O relatório refere que o aumento das exportações, apesar de estar em risco de desaceleração, continua a suavizar e a financiar as insuficiências da cobertura pela oferta interna da procura interna. Ainda assim, o aumento terá de ser maior para que a procura interna cresça de forma sustentável, “o que implica um aprofundamento do desenvolvimento de Portugal”.

De acordo com a Iberinform, “a economia de Portugal está condicionada no seu mercado interno pelo excessivo endividamento do Estado não reformado, pelas fragilidades das instituições financeiras com muitas imparidades e contingências e pelo excessivo endividamento das famílias”.

As políticas de “ajustamento financeiro” tiveram efeitos limitados no Estado, apesar do forte aumento da dívida pública “com o ajustamento a ser muito reduzido na despesa pública não ligada a investimento e a ser excessivamente elevado na receita pública, com ênfase no imposto sobre o rendimento das famílias”, tornando-as ainda mais vulneráveis. A tentativa de ajustamento, segundo o estudo, apenas serviu para adiar a reforma e a continuidade da modernização do Estado.

Em 2017, a economia nacional reforçou a sua capacidade de financiamento do Resto do Mundo em mais 568 milhões de euros, apoiada apenas na melhoria das Sociedades Financeiras, já que o Estado e as Sociedades Não Financeiras viram as suas necessidades de financiamento aumentar e as Famílias a capacidade de financiamento diminuir.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ex-presidente do BPN, José Oliveira Costa. Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Finanças. Antigo BPN está a ajudar a reduzir défice deste ano

Vieira da Silva e Cláudia Joaquim
Fotografia: Leonardo Negr‹ão / Global Imagens

Governo admite eliminar factor de sustentabilidade noutros tipos de pensões

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Regras das pensões antecipadas que existem em 2018 vão manter-se

Outros conteúdos GMG
Ameaças externas colocam em risco oportunidades da economia portuguesa