A partir de dia 5 já se pode circular entre concelhos ao fim de semana. Eventos ficam sem público

O primeiro-ministro António Costa revelou o plano de desconfinamento que terá nova fase na segunda-feira, 5 de abril e revelou que na segunda-feira acabam as limitações de circulação entre concelhos. Eventos com futebol vão continuar em público e apoios ao comércio mantém-se, mesmo aqueles que já podem abrir (como esplanadas).

João Tomé
O primeiro-ministro, António Costa, pouco antes de uma comunicação ao país sobre os novos apoios sociais promulgados pelo Presidente da República, no Palácio de São Bento, em Lisboa, 31 de março de 2021. MÁRIO CRUZ/LUSA © LUSA

O primeiro-ministro respondeu às questões dos jornalistas no final da conferência de imprensa e explicou que a proibição de circulação entre concelhos, durante a semana e fim de semana deixa de existir após dia 5 de abril.

As atividades comerciais que podem abrir dia 5 - lojas de rua com menos de 200 m2 - e as esplanadas abrem com os horários estabelecido antes do confinamento geral - no caso das esplanadas será até às 22h30, por exemplo. Se até 19 de abril tudo se mantiver, restaurantes e salas de espetáculos mantém esses horários também.

A nível de apoios, eles mantém-se mesmo para quem começa a abrir a atividade.

Os supermercados podem, também, voltar a vender roupa e brinquedos - algo que não era permitido.

"Vamos manter o calendário de desconfinamento para todos terem noção do que aí vem e vamos medindo de 15 em 15 dias, para tentar mantermo-nos no quadrante verde da matriz", disse o primeiro-ministro.

Os hotéis mantém-se fechados, tal como as escolas de condução continuam encerrados, explicou.

Sobre os eventos com público como futebol ou Fórmula 1: "continuam sem público porque o risco é grande e vamos continuar a evitar".

Matriz verde é o objetivo

O que leva à paragem do desconfinamento? "Não serão tomadas medidas intercalares entre os 15 dias após o dia 5 de abril, garantiu o primeiro-ministro. Ainda assim, "se um concelho for sinalizado como de risco crescente, pode haver um esforço para rastreamento das autoridades para conter as cadeiras de transmissão e diminuir o risco".

Costa diz que o R - índice de transmissibilidade - chegar aos 1,1 pode não ser problemático e levar a mais medidas, pior será se "chegarmos a 1,2 ou 1,5" - atualmente é inferior a 1.

Por esclarecer ficou se Portugal saír do quadrante verde da Matriz. Recuamos? "Prefiro manter o foco no plano de desconfinamento de dia 5 e 19 de abril.
Desde que façamos o esforço conseguimos resultados, temos vindo a diminuir os internados, os casos e mortes".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG