Medina pagou a Figueiredo 30 mil euros por 20 dias de trabalho para CML

Contratado agora para consultor do hoje ministro das Finanças, com salário de quase 6 mil euros brutos, o ex-diretor da TVI já fizera trabalho para Fernando Medina quando este liderava a Câmara de Lisboa, avança a Sábado.

Dinheiro Vivo

Gizar um plano de comunicação para promover as compras de Natal no comércio tradicional, particularmente afetado pela pandemia e consequentes confinamentos foi a missão entregue à empresa de Sérgio Figueiredo e Margarida Pinto Correia, conta a Sábado. Para tal, Fernando Medina, então à frente da Câmara de Lisboa, assinou contrato com a Plataforma Coerente, que conseguiu associar 20 figuras públicas à causa, gravando vídeos com o telemóvel a promover o comércio tradicional.

A ideia, conforme noticiado hoje pela Sábado, custou a Lisboa 30 mil euros. A sua execução levou 20 dias e pode ser vista no Youtube da CML: Camané, Carlão, Fernando Santos, Diogo Infante, Eunice Muñoz, Bruno Nogueira, Fernanda Serrano, Catarina Furtado, José Alberto Carvalho, Kátia Guerreiro, Cláudio Ramos, Luís Represas, Manuel Luís Goucha, Maria Botelho Moniz, Miguel Sousa Tavares, Mónica Jardim, Nuno Markl, Pedro Ribeiro, Pedro Mourinho, Margarida Pinto Correia, Nilton e Vhils foram os protagonistas.

Questionado pela Sábado, o antigo jornalista explica o valor pelo trabalho feito. "Se a CML tivesse de contratar aquela gente toda para o mesmo trabalho, faz ideia de quanto lhes custaria? Além disso, não gravei nada, mas tivemos de fazer edição (montagem, sonorização) de depoimentos. Foram produzidas dezenas de clips. Por quem? E a conceção da campanha? Os copys?", diz, citado por aquela publicação.

Na edição desta quinta-feira, o jornal Público indica que, segundo a minuta do contrato de Sérgio Figueiredo divulgada pelo ministério das Finanças, o ex-administrador irá receber 139.990 euros brutos durante dois anos, o que equivale a 5.832 mensais, superiores, portanto, aos 4.767 inicialmente noticiados. O objetivo será "ajudar a conceber e desenhar as políticas públicas do ministério de Fernando Medina, mas também monitorizar a sua execução e a perceção, em tempo real, que têm delas as partes interessadas". (Leia mais aqui)

O ministério das Finanças, tutelado por Fernando Medina, confirmou a contratação de Sérgio Figueiredo, afirmando que o antigo jornalista irá "prestar serviços de consultoria no desenho, implementação e acompanhamento de políticas públicas, incluindo a auscultação de partes interessadas na economia portuguesa e a avaliação e monitorização dessas mesmas políticas".

Recorde-se que Fernando Medina foi contratado pela TVI no tempo em que Sério Figueiredo era diretor da estação, mantendo um espaço de comentário semanal naquele canal até sair da CML para o governo.

No final do Conselho de Ministros de hoje, o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, André Moz Caldas, foi questionado se era necessário o Ministério das Finanças contratar o ex-administrador da Fundação EDP Sérgio Figueiredo como consultor estratégico, tendo em conta que o Centro de Competências de Planeamento, Políticas e Prospetiva da Administração Pública (PlanAPP), criado em 2021, desempenha as mesmas funções.

Na resposta, André Moz Caldas sublinhou que o centro de competências em questão "foi implementado, está a funcionar, ocupa-se das matérias de planeamento estratégico, prospetiva e avaliação de políticas públicas em geral, no contexto da administração, muito particularmente no que diz respeito à elaboração de grandes documentos de estratégia, como são as grandes opções ou como é o programa nacional de reformas no âmbito do Semestre Europeu". (Leia mais aqui).

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG