Portugal e Espanha tentam acertar o passo nos transportes

Cimeira Ibérica realiza-se em Trujillo, na província de Cáceres, com o lema da "mobilidade sustentável".

Diogo Ferreira Nunes
epa09499678 Spanish Prime Minister Pedro Sanchez (L) welcomes his Portuguese counterpart, Antonio Costa, as they attend the closing act of the III La Toja-Atlantic Tie Forum held in O Grove, in the province of Galicia, northwestern Spain, 01 October 2021. EPA/Lavandeira jr © EPA

O município de Trujillo, em Cáceres, é o palco do primeiro ato oficial de António Costa após o chumbo da proposta do Orçamento do Estado para 2022 na generalidade. O primeiro-ministro encontra-se com o homólogo espanhol para a 32.ª Cimeira Ibérica. As expetativas para a reunião desta quinta-feira são baixas, até porque os trabalhos vão decorrer em pouco mais de três horas.

"Mobilidade Sustentável" é o lema da reunião ibérica mas na área dos transportes a discussão não deverá passar dos troços ferroviários abordados em cimeiras anteriores: Sines-Madrid (incluída no plano de investimentos português Ferrovia 2020); Aveiro-Salamanca (linha acordada na cimeira ibérica da Figueira da Foz em 2003); e ainda a nova ligação Porto-Vigo (programada para o programa nacional de investimentos para 2030).

Na anterior cimeira, na Guarda, António Costa abriu a porta à discussão sobre a alta velocidade para os próximos anos.

"Seguramente, um dia, Portugal não continuará separado da rede ibérica de alta velocidade. Falaremos sobre isso em tempo próprio, tendo em conta que não se trata de uma ligação ponta a ponta mas de país para país. Temos de encontrar uma conexão que possa integrar o conjunto de Portugal e contribuir positivamente ao reforço da coesão territorial"

Costa e Sánchez também poderão aproveitar a reunião para dar um sinal às transportadoras ibéricas CP e Renfe de que é necessário retomar a ligação ferroviária entre Lisboa e Madrid, suspensa desde março de 2020, por conta da pandemia. Espanha já propôs uma um comboio diurno entre as duas capitais ibéricas, numa ligação de sete horas e 25 minutos. No entanto, a transportadora ferroviária portuguesa não pretende operar a ligação com prejuízo.

O encontro também vai servir para executar a "estratégia comum de desenvolvimento transfronteiriço". Entre as várias medidas, na saúde, destaque para o serviço de emergência, que vai atuar por proximidade junto à fronteira. Se alguém precisar de cuidados médicos em Portugal mas a ambulância mais próxima estiver em Espanha, o doente será atendido pelo INEM do país vizinho. Também o INEM português poderá atuar do lado espanhol se for necessário.

A execução dos planos de recuperação e resiliência dos dois países será outro dos temas. Em 2020, os governos ibéricos comprometeram em apoiar-se mutuamente.

Além de António Costa, a comitiva portuguesa será constituída por mais 10 ministros: Negócios Estrangeiros; Economia e Transição Digital; Cultura; Trabalho e Segurança Social; Agricultura; Mar; Ambiente e Ação Climática; Infraestruturas e Habitação; Coesão Territorial; e ainda Administração Interna. Em 2020, não houve representação dos ministérios da Cultura e do Mar.

A chegada da representação lusitana a Trujillo está marcada para o meio-dia (hora espanhola). Depois das cerimónias protocolares, haverá uma hora para a reunião entre Costa e Sánchez e ainda as reuniões bilaterais entre ministros portugueses e homológos espanhóis. Segue-se um almoço com reunião plenária de duas horas. A conferência de imprensa conjunta dos líderes de governo está agendada para as 16h.

Pelas 17h, tempo para um encontro com 40 jovens sobre o "Futuro da Europa": 20 alunos do Instituto Politécnico de Portalegre e 20 da Universidade da Extremadura. A cimeira ibérica encerra pelas 18 horas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG