Preços das casas aumentam 6,6%

No segundo trimestre deste ano, transacionaram-se 52.855 casas, um crescimento de 58,3% impulsionado pelo facto de no período homólogo o país estar em confinamento devido à pandemia da covid-19.

Sónia Santos Pereira
 © VITOR CUPERTINO/Global Imagens

O preço das casas em Portugal aumentou 6,6% entre abril e junho deste ano face ao mesmo período de 2020 e 1,4 pontos percentuais (p.p.) acima do registado no trimestre anterior, avançou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). As habitações novas viram o preço subir 6,9% e as usadas 6,5%.

No segundo trimestre deste ano, transacionaram-se 52.855 casas, um crescimento homólogo de 58,3%, que foi impulsionado pelo facto de no período homólogo o país estar em confinamento devido à pandemia da covid-19.

Como refere o INE, "este aumento expressivo deve-se em parte a um efeito de base dado que a comparação homóloga incide nos meses de abril a junho de 2020, período caracterizado por restrições significativas sobre a atividade económica em consequência das medidas de contenção da pandemia covid-19 que implicaram o número (e valor) mais baixo de transações desde o 3º trimestre de 2016".

Em abril, registou um aumento de 75,1% no número de transações, reduzindo-se para pouco mais de 50% nos dois meses seguintes.

Vendas de 8,6 mil milhões

No segundo trimestre, o volume de transações atingiu os 8,6 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 66,5% em termos homólogos. Abril foi o mês com o crescimento mais expressivo, com uma taxa de variação homóloga de 72,4%, seguindo-se junho e maio com variações de 64,3% e 63,9%, respetivamente.

De acordo com o Índice de Preços da Habitação, 7 mil milhões de euros corresponderam a transações de casas usadas (aumento de 70% face ao mesmo período de 2020) e 1,6 mil milhões à venda de habitações novas (aumento homólogo de 53%). Abril foi o mês com o crescimento homólogo mais expressivo, 72,4%, seguindo-se junho (64,3%) e maio (63,9%).

Numa comparação em cadeia, o valor das habitações transacionadas, no segundo trimestre de 2021, cresceu 23,7% (-8,1% no 1º trimestre de 2021). O aumento no valor dos alojamentos novos excedeu aquele que foi registado nos alojamentos existentes, 24,1% e 23,6%, pela mesma ordem.

O documento adianta ainda que 85,9% das vendas no segundo trimestre deste ano referem-se a casas usadas, num total de 45.404 unidades, o que traduz um crescimento homólogo de 61,2%. No período em análise, registaram-se 7.451 transações de habitações novas, mais 42,6% por comparação com o 2º trimestre de 2020.

O número de transações entre o primeiro trimestre de 2021 e o segundo de 2021 aumentou 20,8%. O crescimento foi extensível a ambas as categorias de habitações, com o registo de um aumento de 22% nas usadas e de 14,1% nas novas.

Entre abril e junho, foram vendidas 17.454 casas na Área Metropolitana de Lisboa. Esta região concentrou 33,0% do total das transações, menos 2,1 p.p. face ao período homólogo. No Norte registaram-se 14 830 transações, correspondendo a 28,1% do total.

Em valor, as transações observadas na Área Metropolitana de Lisboa representaram 45,9% do total, a percentagem mais elevada do último ano, mas inferior em 0,8 p.p. à apurada para o segundo trimestre de 2020. No Norte, as vendas ascenderam a cerca de 2 mil milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG