Promova ajuda mulheres a chegar à liderança

Iniciativa da CIP, com Nova SBE e Randstad como parceiras, concluiu a segunda edição nesta sexta-feira, uma etapa que permitiu, para já, a promoção de 41% das participantes.

Dinheiro Vivo
Campus da Nova SBE. © Carlos Manuel Martins / Global Imagens

Facilitar o acesso das mulheres às redes profissionais, tradicionalmente masculinas, e contribuir para uma mudança na cultura organizacional das empresas foi um objetivo cumprido, conforme realçaram Carla Sequeira, da CIP, Leonor Colaço, da Nova SBE, e de Mariana do Canto e Castro, da Randstad, nesta sexta-feira, quando chegou ao fim a segunda edição do Promova, que reuniu no campus da Nova SBE, em Carcavelos, as cerca de 30 mulheres participantes, na celebração de uma etapa que permitiu, para já, a promoção de 41% delas.

"É uma contribuição para fomentar a igualdade de género no acesso a cargos de direção e liderança nas empresas", vincou no encerramento Carla Sequeira, secundada por Isabel Cardoso (CIP), que lembrou o mais importante destas edições, "o espírito de colaboração, partilha de experiências e conhecimento, que representa bem o que é este projeto".

O valor adquirido é também realçado pelas participantes. "O Promova permitiu conhecer-me melhor e com isso perceber como aproveitar melhor as minhas capacidades, mas também como ultrapassar as minhas fragilidades", assegurou Sandra Mateus, da Microsoft, aluna desta segunda edição. Para Andreia Milheiro, da Faurecia, o mais relevante foi a oportunidade de receber conhecimento a vários níveis. "Dotou-me, acima de tudo, da vontade de querer mais e da curiosidade de saber mais. E aguçou o meu o sentido de responsabilidade para promover temas relevantes, como os da diversidade e inclusão, no meu contexto organizacional, e para provar que a liderança não tem género."

Também os parceiros reconhecem a vantagem deste programa na obtenção de resultados. Leonor Colaço realça a importância de a Nova SBE fazer parte deste projeto, tão necessário "para que o futuro seja mais sustentável, diverso e equilibrado, e para que a igualdade de género, para estas alunas, faça parte do futuro delas".

"É um projeto relevante, pois permite que estas mulheres se elevem, através do conhecimento e da colaboração, permitindo fomentar as capacidades pessoais e profissionais de todas elas. No fundo, estas mulheres que hoje concluíram a segunda edição desse projeto, já eram profissionais de excelência, o Promova só veio confirmar isso", remata Mariana do Canto e Castro (Randstad).

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG