Coronavírus

Angola declara estado de emergência a partir da meia-noite de sexta-feira

João Lourenço, Presidente de Angola. Fotografia: Estela Silva/Lusa
João Lourenço, Presidente de Angola. Fotografia: Estela Silva/Lusa

O estado de emergência vai durar 15 dias, mas pode ser prorrogado automaticamente.

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, declarou o estado de emergência no país com entrada em vigor a partir das zero horas de 27 de março, devido à pandemia de Covid-19.

“Com vista a evitar o máximo possível o alastramento da pandemia e as graves consequências que lhes são associadas, consultado o Conselho da República e ouvida a Assembleia Nacional declaro estado de emergência que entra em vigor as 00h00 de 27 de março”, afirmou o Presidente angolano numa curta mensagem lida na televisão pública de Angola, TPA.

O estado de emergência vai durar 15 dias, terminando às 23 horas de 11 de abril, podendo ser prorrogado automaticamente.

Angola regista até hoje três casos positivos de infeção pelo novo coronavírus. Não obstante o número de casos positivos registados até 23 de março ser ainda reduzido, o chefe do executivo angolano assinalou a importância de aprender com “o erro dos outros”, sendo recomendável “tomar com a antecipação requerida um conjunto de medidas extraordinárias e urgentes”

Destacou, por outro lado, que o sucesso no controlo da pandemia implica uma resposta rápida e adequada dos serviços de saúde, “mas também o consentimento de sacrifícios de todos os cidadãos que ficam assim limitados nos seus direitos e na sua vida social e profissional”.

João Lourenço justificou ainda que a emergência em saúde publica “se caracteriza como uma situação que demanda o emprego urgente de medidas excecionais de prevenção, de controlo e de contenção de riscos para a saúde pública”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Angola declara estado de emergência a partir da meia-noite de sexta-feira