Comércio

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens
O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Exportações totais travam a fundo. Há um ano, no final do primeiro semestre de 2018, faturação cresceu mais de 7%. Hoje, é metade disso.

O crescimento da economia portuguesa está a resistir ao forte abrandamento da economia europeia e parte da explicação pode estar no facto de as exportações, embora em desaceleração, estarem a aguentar o embate, sobretudo nos mercados europeus que acusam maiores dificuldades.

Alemanha e Itália estão estagnadas, praticamente à beira da recessão, mas isso não impediu que Portugal ainda tenha conseguido faturar mais 6,4% e 21,3%, respetivamente, nestes dois países. Estamos a falar de 16% das vendas totais nacionais para fora.

O mercado alemão é há muito tempo o terceiro maior cliente das vendas portuguesas para o estrangeiro, absorvendo mais de 11% das exportações portuguesas. No entanto, nesta semana que passou, os alarmes dispararam naquela que é maior economia da zona euro. É um aviso sério para Portugal.

Depois de várias instituições terem feito diagnósticos bastante negativos quanto ao futuro próximo do desempenho da Alemanha (que, como grande exportador mundial, está a sofrer o embate da escalada nas guerras comerciais espoletadas pelos EUA), veio o banco central do país (Bundesbank) confirmar que a situação pode ser mesmo grave.

É altamente provável que a recessão se concretize (dois trimestres consecutivos de contração trimestral do produto interno bruto ou PIB) já no terceiro trimestre deste ano. Jens Weidmann, o presidente do Bundesbank, referiu que “as fraquezas da economia estão concentradas na indústria e nas exportações”.

“As disputas comerciais internacionais e o brexit são razões importantes” para explicar este novo cenário. A Alemanha está confrontar-se com “um declínio acentuado” das suas exportações e os empresários estarão já a retrair-se no investimento (em novas máquinas e equipamentos), observaram os economistas do banco central.

O Bundesbank alerta que o perigo de recessão é real e, ato contínuo, cortou a previsão de crescimento deste ano para uns meros 0,3%. Se este número se concretizar será o pior ano da economia alemã dos últimos dez anos. É preciso recuar à grande recessão de 2009 para encontrar um desempenho pior (-5,6%).

Com Itália passa-se algo parecido. É outro dos países europeus a inspirar cuidados em termos de crescimento, projetando-se atualmente uma expansão de apenas 0,1%. Uma virtual estagnação e o pior desempenho económico desde 2013, altura em que a atividade da terceira maior economia do euro caiu 1,7%.

A economia portuguesa é das poucas que está a conseguir resistir ao forte abrandamento da economia europeia, espaço que concentra cerca de 80% dos seus mercados de exportação, por exemplo. Dos países apurados pelo Eurostat, Portugal, Dinamarca, França, Lituânia e Finlândia foram os únicos que conseguiram manter ou reforçar as suas taxas de crescimento no segundo trimestre.

Portanto, as exportações portuguesas para Alemanha e Itália continuam a apresentar um ritmo razoável, apesar da anemia galopante nestes países. Mas o mesmo já não acontece noutros mercados de referência.

As vendas a Espanha, que é só o maior cliente de Portugal, estão praticamente estagnadas, avançaram apenas 0,4% no primeiro semestre deste ano, segundo cálculos do Dinheiro Vivo com base em dados do INE comunicados ao Banco de Portugal. É o pior desempenho de primeiro semestre desde a grave crise de 2012.

Também na primeira metade deste ano, é possível confirmar que as exportações para o problemático Reino Unido já estão a cair (-0,9%); as vendas para Angola afundaram mais de 18%; o mercado brasileiro emagreceu mais de 12%; e o chinês sofreu uma contração de quase 4%.

Tudo somado, tem-se que as vendas de mercadorias estavam crescer uns meros 2,9% no final do primeiro semestre, pior registo dos últimos três anos.

As exportações de serviços pesam menos no total, mas continua a ser mais dinâmicas, até por causa do segmento “viagens e turismo”. Mesmo assim, esta parte da balança comercial está em franca desaceleração. Estava a crescer 5,2% na primeira metade de 2019, o ritmo mais fraco desde meados de 2016.

O andamento do valor exportado em viagens e turismo está a ficar mais moderado, mais ainda cresce a dois dígitos. Segundo o banco central, a respetiva faturação aumentou mais de 11% no primeiro semestre deste ano (menos de metade dos 25% registados no primeiro trimestre).

Tudo isto faz com que as exportações totais portuguesas (bens e serviços) estejam a travar a fundo. Há um ano, no final do primeiro semestre de 2018, a faturação de todos os exportadores nacionais estava a crescer mais de 7%. Hoje, é metade disso (3,6%, segundo contas com base nos números fornecidos pelo Banco de Portugal).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não