Investimento

Angola está nas prioridades de Portugal

Luís Castro Henriques, presidente da AICEP, apresentou o curso  Export Advance no INDEG-ISCTE
Luís Castro Henriques, presidente da AICEP, apresentou o curso Export Advance no INDEG-ISCTE

Para a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Angola continua a ser uma prioridade para as exportações e investimento.

Portugal não constou no discurso de tomada de posse de João Lourenço, novo presidente de Angola, como país prioritário para aquela nação. Ainda assim, para Portugal continua a ver Angola como uma prioridade ao nível das exportações e do investimento. O país da palanca está entre os 17 mercados core que acabam de ser eleitos pela AICEP pelo seu grande potencial de exportações e de IDE (ver listagem abaixo) para 2017-19. Foram também escolhidos mais 33 como mercados de aposta para garantir a diversificação.

Quanto à necessidade de melhoria da relação bilateral, o líder da AICEP responde que “o que mais conta é a proximidade que as empresas portuguesas têm com Angola, isso é que é determinante e vai continuar. É uma aposta de longo prazo “.

Na opinião de Luís Castro Henriques, presidente da AICEP, é preciso continuar a promover Portugal como destino de excelência, afinal “o país é o vigésimo quinto no mundo para Doing Business, e temos de trabalhar Portugal como destino de investimento, incluindo para os mercados da CPLP”. Para esses países de língua oficial portuguesa, a estratégia passa por “fortalecer a proposta de valor de Portugal dentro da CPLP e assumir Portugal como uma plataforma de investimento”. Hoje temos de olhar para a CPLP “não só pela cultura mas pelo negócio”.

O executivo sublinha que “há várias multinacionais que operam na CPLP a partir de Portugal” e que é preciso potenciar essa mais-valia. E também “temos tido investidores do extremo oriente que olham para Portugal como plataforma para integrar estes mercados da CPLP”.

Quanto ao polémico tema das dificuldades de mobilidade dentro dos países de língua portuguesa, o presidente da instituição afirma sentir que “é uma necessidade para os empresários. Vamos identificar o que pode ser feito. O tema dos vistos não é uma questão apenas empresarial… mas vamos ver o que pode ser feito”.

Mercados prioritários eleitos pela AICEP para 2017-19:
Alemanha
França
EUA
Reino Unido
Holanda
China
Espanha
Angola
Bélgica
Itália
Polónia
Suécia
Marrocos
Brasil
Japão
Rússia
Canadá

Mercados para garantir diversificação entre 2017-19
Índia
Suíça
Áustria
República Checa
Coreia do Sul
Dinamarca
Turquia
Hungria
Moçambique
Roménia
Austrália
EAU
Grécia
Tailândia
Malásia
Qatar
México
Arábia Saudita
Cabo Verde
Indonésia
Venezuela
África do Sul
Macau
Argentina
Tunísia
Irão
Chile
Colômbia
São Tomé e Príncipe
Timor-Leste
Cuba
Guiné-Bissau
Argélia

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Angola está nas prioridades de Portugal