Incêndios

António Costa. “A banca assumiu a sua responsabilidade social”

( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Banca assumiu a sua responsabilidade social, ao ter disponibilizado uma linha de crédito de apoio às empresas afetadas pelos incêndios, diz Costa

O primeiro-ministro considerou hoje que a banca assumiu a sua responsabilidade social, ao ter disponibilizado uma linha de crédito de apoio às empresas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, no valor de 100 milhões de euros.

“A banca assumiu a sua responsabilidade social, não só com a linha de crédito, mas também com as condições que tem vindo a negociar com os seus clientes para a manutenção das suas atividades”, sustentou António Costa.

Ao final da tarde de hoje foi assinado um protocolo para a disponibilização de uma linha de crédito de apoio à tesouraria e ao fundo maneio das empresas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, no valor global de 100 milhões de euros.

De acordo com o presidente da comissão executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, esta linha de crédito, que visa relançar a atividade das empresas, estará disponível durante seis meses, podendo ser extensível por mais seis meses.

“O montante máximo por empresa é de 750 mil euros, por prazos de quatro anos, incluindo dois anos de carência. Para além desta linha, a CGD, e como estou convencido outras instituições de crédito, estarão disponíveis para moratórias claramente para os seus clientes, relativamente aos empréstimos que já estão em curso”, informou.

Ao longo da sua intervenção, Paulo Macedo destacou que os bancos estão comprometidos com a sociedade, empresas e empresários, não só porque é o seu dever, mas também porque é o seu propósito.

“As instituições de crédito comprometem-se a utilizar as capacidades dos seus profissionais para que esta linha tenha o maior alcance possível e possa chegar, efetivamente, a quem dela precisa”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
António Costa. “A banca assumiu a sua responsabilidade social”