entrevista

António Costa: “Política salarial das empresas hoje não é aceitável”

António Costa, primeiro-ministro, vai presidir à cerimónia de entrega do estatuto PME Excelência. Fotografia: Maria João Gala/Global Imagens
António Costa, primeiro-ministro, vai presidir à cerimónia de entrega do estatuto PME Excelência. Fotografia: Maria João Gala/Global Imagens

Em entrevista ao Expresso o primeiro-ministro critica "o desinvestimento" das empresas nos quadros jovens

Um futuro “dramático” para o país e as empresas é o que o primeiro-ministro antecipa se nada for feito para atrair quadros jovens, nomeadamente ao nível dos salários.

Em entrevista ao jornal Expresso, publicada este sábado, António Costa afirma que o Orçamento do Estado para 2019 vai incluir “um pacote fiscal muito agressivo para atrair o regresso” a Portugal de quadros jovens que emigraram durante a crise. E deixa críticas às empresas.

“Além de todos os incentivos que o Estado possa dar, é fundamental as empresas alterarem radicalmente as suas políticas salariais. Se não pagarem adequadamente o trabalho qualificado, é impossível recuperar esta geração. E a política salarial das empresas hoje não é aceitável”, sublinha o primeiro-ministro, apontando exemplos.

“Se for a uma empresa tipo EDP vai ver que o salário de topo é 210 vezes o salário mínimo. Não é aceitável esta disparidade”, considera Costa, destacando que “nenhuma empresa vive dos CEO, elas vivem da qualidade dos seus quadros intermédios”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa (E) e Charles Michel (D). Fotografia: EPA/JOHN THYS

Costa. Orçamento de Charles Michel é para os “países forretas”

A companhia portuguesa teve ontem de colocar os viajantes noutros voos. foto: Global Notícias

TAP estuda soluções para passageiros nos voos com Venezuela

O ministro das Finanças, Mário Centeno, com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Portugal melhora transparência financeira, mas ainda tem nota negativa

António Costa: “Política salarial das empresas hoje não é aceitável”