África

Apoio do FMI impulsiona reformas em Moçambique

Moçambique está a encetar um conjunto de reformas. Fotografia: D.R.
Moçambique está a encetar um conjunto de reformas. Fotografia: D.R.

O ministro das Finanças de Moçambique diz que há um desconhecimento total sobre o que se passa no país

O ministro das Finanças de Moçambique disse que Moçambique está, no seguimento do escândalo das dívidas escondidas, a fazer reformas que, “em condições normais, só podiam ser feitas no contexto de um programa do FMI”.

Em entrevista à Lusa no âmbito dos Encontros da Primavera, que decorrem até hoje em Washington, Adriano Maleiane considerou que “há um desconhecimento total do que se está a passar em Moçambique” e garantiu que o país “está a fazer coisas que, em condições normais, só podiam ser feitas no contexto de um programa com o Fundo Monetário Internacional (FMI)”.

Como exemplo dessas reformas, Maleiane apontou “a revisão dos preços e dos subsídios”, considerando que são, “de certa forma, uma maneira de trazer a sociedade para a realidade, para perceber que não é possível viver na base dos subsídios”.

Questionado sobre o impacto da divulgação de empréstimos contraídos por duas empresas públicas sem reflexo nas contas públicas e sem informação aos parceiros e doadores internacionais, Maleiane reconheceu que “a imagem de Moçambique ficou manchada, sobretudo pela forma como está a ser passada, por quem não conhece Moçambique, a sensação de que tudo parou por causa da dívida”.

Em 2016, lembrou, “o que aconteceu na nossa economia foi que os preços das matérias-primas tiveram um impacto negativo na taxa de câmbio e, como Moçambique é altamente dependente de fatores externos, isso criou uma depreciação da moeda e tivemos todo o problema da inflação, que rebentou”.

Depois, continuou, “a 29 de março veio o artigo do Wall Street Journal, com a questão da dívida, que veio criar mais problemas na imagem do país”.

Questionado sobre a relação com o FMI desde então, Maleiane respondeu que está normalizada e que todas as dúvidas estão esclarecidas.

“A 28 de novembro de 2016 a questão da dívida ficou esclarecida com o FMI. Houve uma informação errada, classificada como misreporting, que aconteceu, e então foi necessário trabalhar com os técnicos para trazer essa informação e ser validade e foi levada ao conselho de administração do FMI, para dizer que os dados que temos hoje são acertados, estão validados, não há discrepâncias, e a administração do Fundo concordou e decidiu que não haveria penalizações e que cabia ao país resolver o assunto”.

Perguntado sobre quem, efetivamente, assinou as garantias estatais, Maleiane respondeu que “toda a gente sabe que quem assinou é a pessoa que tinha nesse tempo competências e representava o Governo, uma vez que as garantias são soberanas, e só pode ter sido quem tem competência para fazer isso, mas isso não é o que está em jogo”.

A Lusa questionou Maleiane sobre se estava a referir-se ao ministro da Defesa de então e atual Presidente da República, Filipe Nyusi, mas o ministro das Finanças disse que não e que cabe à Procuradoria-Geral da República dar as explicações.

Sobre a ideia de que haverá impunidade porque quem assinou está ligado à elite dirigente do partido no poder, Maleiane rejeitou a ideia, dizendo: “Isso é só perceção, o melhor momento e lugar para esclarecer, até porque é muito bom para acabar com a especulação, é a PGR, que é a única que conhece os termos de referência da auditoria da Kroll e pode esclarecer os detalhes”.

A PGR, concluiu, “tem toda a informação do resultado da auditoria e vai fazer uso dos termos da legislação e das competências que tem para esclarecer tudo isso”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Apoio do FMI impulsiona reformas em Moçambique