OE2018

Aprovado. Orçamento do Estado passa com votos contra da direita

impostos investimento défice
Primeiro-ministro, António Costa, e Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

O Orçamento do Estado foi hoje aprovado na Assembleia da República

Eram 18h46 quando o documento que vai guiar a governação do país em 2018 foi aprovado no Parlamento. Após um longo debate, o Orçamento do Estado do próximo ano, o terceiro do Governo de António Costa, foi aprovado na votação final com os votos favoráveis do PS, Bloco de Esquerda, PCP, PEV e PAN.

Os partidos da ala direita, PSD e CDS-PP, chumbaram o documento.

Antes da votação da proposta de lei do Orçamento do Estado foram aprovadas as Grandes Opções do Plano (GOP), com o mesmo resultado. Estiveram presentes no hemiciclo 229 deputados.

O debate, que se estendeu durante toda a tarde desta segunda-feira, ficou marcado pelo mal-estar gerado entre o PS e o Bloco de Esquerda, após os socialistas terem chumbado uma medida proposta pelo partido liderado por Catarina Martins.

A medida em causa era uma “contribuição solidária” de 250 milhões de euros que deveria ser cobrada às empresas energéticas, e que tinha recebido luz verde por parte dos socialistas na semana passada.

Porém, o PS voltou atrás na decisão, o que levou a deputada Mariana Mortágua, do BE, a criticar a “deslealdade” e a “subserviência” do PS às energéticas.

“Não nos queixamos apenas da deslealdade de ter rasgado o compromisso com o Bloco, o que já não seria pouco, porque a lealdade parlamentar baseia-se na palavra dada. Queixamo-nos da oportunidade que o país perdeu”, sublinhou a deputada.

Apesar das críticas duras, os bloquistas aprovaram o Orçamento do Estado. “Fizemos com o Governo uma negociação consistente com objetivos sérios. Ainda antes de apresentarmos e negociarmos esta contribuição no âmbito da especialidade, o Bloco anunciou o seu voto a favor do Orçamento. Para nós, palavra dada é mesmo palavra honrada”, destacou Mariana Mortágua.

Com Lusa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Governo trava acesso às pensões antecipadas

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal

Altice em negociações com dois bancos para lançar serviços financeiros

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde, no Martim Moniz,
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Carris Metropolitana: Área Metropolitana de Lisboa com marca única de autocarros

Outros conteúdos GMG
Aprovado. Orçamento do Estado passa com votos contra da direita