Mercado residencial

As 10 cidades do mundo com maior risco de bolha no imobiliário

toronto-1298016_1280

Há sete cidades, quatro das quais na Europa, em que há o risco de bolha no mercado imobiliário residencial, segundo o UBS Global Real Estate Bubble Index de 2019.

Munique é a cidade com maior risco de estar a criar uma bolha imobiliária. A metrópole alemã lidera o UBS Global Real Estate Bubble Index de 2019, que analisa os preços das casas em 24 grandes cidades mundiais. A seguir neste ranking surgem Toronto, Hong-Kong e Amesterdão. Lisboa não aparece nesta análise, que incluiu este ano, e pela primeira vez, a cidade de Madrid.

Há outras cidades em que não há risco de bolha, mas em que o imobiliário residencial está sobrevalorizado, de acordo com a análise do UBS. É o caso de Zurique, Londres e São Francisco. A capital britânica saiu da zona de risco de bolha, e Paris e Frankfurt entraram pela primeira vez nesse grupo no índice deste ano.

Neste conjunto de 24 metrópoles, há ainda aquelas em que os preços são considerados justos (Singapura, Milão, Boston e Dubai). Já em Chicago os preços estarão subvalorizados.

Veja abaixo o ranking dos 10 países que apresentam maiores riscos no imobiliário residencial.

  1. 1. Munique, Alemanha – Risco de bolha
  1. Munique, Alemanha

2. Toronto, Canadá – Risco de bolha

toronto

3. Hong-Kong, China – Risco de bolha

CHEK LAP KOK (HONG KONG)

4. Amesterdão, Holanda – Risco de bolha

26. Amesterdão, Países Baixos

5. Frankfurt, Alemanha – Risco de bolha

frankfurt

6. Vancouver, EUA – Risco de bolha

6. Vancouver, EUA - Unsplash

7. Paris, França – Risco de bolha

9. Paris, França 2

8. Zurique, Suíça – Mercado sobreavaliado

2. Zurique, Suíça

9. Londres, Reino Unido – Mercado sobreavaliado

A chegada a Londres do veleiro #Taylors325 tripulado por Ricardo Diniz. Fotografia: Matt Alexander/PA Wire
  1. 10. São Francisco, EUA – Mercado sobreavaliado
  1. 10. São Francisco, EUA

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
As 10 cidades do mundo com maior risco de bolha no imobiliário