As profissões mais atrativas durante a pandemia

Profissionais das áreas da saúde, motoristas e trabalhadores do retalho alimentar foram vistos como heróis, durante a pandemia.

A pandemia veio acentuar ainda mais as desigualdades na procura de profissionais, saindo beneficiados aqueles que têm as competências mais procuradas neste período, que podem negociar melhores oportunidades, salário e gerir com maior flexibilidade a vida profissional e pessoal. Esta é uma das conclusões do inquérito "O Futuro dos Trabalhadores, pelos trabalhadores", do ManpowerGroup.

Profissionais com competências nas áreas de cibersegurança, transformação de negócios, saúde e bem-estar, logística e e-commerce foram os mais procurados desde que teve início a pandemia, segundo o inquérito a 8000 trabalhadores de oito países. Em oposição, competências em vendas e marketing, hotelaria, turismo e lazer, administração e manutenção de escritórios ou retalho físico sofreram uma quebra na procura.

Grandes oportunidades no meio da pandemia

A mudança de hábitos dos consumidores e as alterações laborais foram em boa parte responsáveis pela necessidade de se reforçarem as infraestruturas tecnológicas nas empresas. Competências em domínios como a cibersegurança, o e-commerce e a análise de dados, segundo o estudo do ManpowerGroup, clivou ainda mais as desigualdades entre trabalhadores. São estes últimos, aliás, que no inquérito não classificaram a manutenção do seu posto de trabalho como prioridade, valorizando em primeiro lugar a flexibilidade que ganharam durante a pandemia.

Para o diretor de Operações do ManpowerGroup Portugal, Rui Teixeira, a pandemia tem vindo a acelerar a transformação no mundo do trabalho e nas necessidades de talento. "O agravamento no desencontro entre competências disponíveis e necessidades das empresas é visível no aumento da taxa de desemprego, mas também na dificuldade crescente de atrair talento em perfis técnicos e tecnológicos." Em comunicado enviado às redações, o mesmo responsável afirma que vivemos numa era de crescente digitalização, tornando fundamental a aposta no desenvolvimento de programas e iniciativas que promovam a capacitação de trabalhadores. "Uma estratégia de 'construção' de talento, apostando nas pessoas e na sua requalificação, permitirá às empresas ampliar a sua base de talento disponível, constituindo uma aposta chave para limitar as consequências da pandemia no emprego", conclui Rui Teixeira.

A covid-19 veio redefinir as competências mais procuradas no mundo do trabalho, tornando o setor tecnológico o mais apetecível uma vez que as empresas procuram a melhor combinação entre a tecnologia e uma abordagem humana. Neste sentido, o estudo reforça a importância das soft skills ou power skills para os trabalhadores e para os líderes - exemplo disso são a comunicação, a adaptabilidade, a capacidade de iniciativa, a integridade ou o pensamento analítico.

O estudo aponta ainda "para a emergência de uma nova categorização dos trabalhadores, como essenciais e não essenciais". A pandemia levou ao reconhecimento por parte da sociedade de profissionais das áreas da saúde, motoristas e trabalhadores do retalho alimentar, que se mantiveram sempre nos seus postos de trabalho, e que passaram a ser "vistos como heróis" neste período de instabilidade.

Os setores que mais perderam

O estudo assinala, porém, que há áreas, como a hotelaria, turismo, lazer, vendas e marketing, que registam a tendência oposta, com uma menor procura. Com a pandemia, o setor do turismo e aviação civil sofreram uma forte quebra. Os dados do INE, até agosto, indicam que Portugal sofreu uma queda de mais de 50% do número de hóspedes e dormidas, face ao período homólogo de 2019.

O turismo, que tem sido um dos motores da economia, está assim a sofrer uma das suas fases mais complicadas, deixando de ser uma das áreas mais atrativas ao nível do emprego. Além disso, com a grande parte dos trabalhadores a exercer as suas funções a partir de casa, as empresas estão a reformular as suas equipas e estratégias de vendas. Desta forma, a oferta de oportunidades profissionais destes setores tem vindo a cair de forma significativa.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de