avaliação bancária

Assessor do FMI prevê colapso da banca “em duas ou três semanas”

Robert Shapiro
Robert Shapiro

Duas ou três semanas. Esta é a linha de vida para a banca europeia, prevista pelo assessor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Robert Shapiro.

Depois da entrevista do corretor Alessio Rastani, que afirmou que a Goldman Sachs manda no mundo, as entrevistas da BBC continuam a dar que falar.

Ontem, no notíciário nocturno da cadeia pública britânica, Shapiro participou numa tertúlia sobre a situação económica da zona euro.

Nela, o assessor do FMI assegurou que se os políticos não encontrarem uma fórmula “credível” para atacar a crise, em duas ou três semanas “teremos uma fusão da dívida soberana que vai levar a um colapso do sistema bancário europeu”.

Saphiro adiantou que “não estamos a falar de um banco belga relativamente pequeno, mas dos maiores bancos do mundo, os maiores bancos na Alemanha, em França, e alargar-se-ia ao Reino Unido e a todos os sítios porque o sistema financeiro global está ligado”.

“Esta seria uma crise que, desde o meu ponto de vista, vai ser mais grave que a de 2008”, concluiu.

Clique para ver o vídeo com a previsão do assessor do FMI

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Assessor do FMI prevê colapso da banca “em duas ou três semanas”