camionistas

Associação de Camionistas ameaça “paralisação total” do setor a partir de junho

Camiões parados

A Antram criticou, esta sexta-feira, o "mau funcionamento" do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) e ameaçou com "paralisação total" do setor.

A Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) criticou esta sexta-feira, o “mau funcionamento” do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) e ameaçou com uma “paralisação total do setor” a partir de junho.

“As ações a tomar poderão passar pela realização de manifestações várias, a ocorrer a partir de junho”, lê-se num comunicado da ANTRAM, associação que dá até ao final de maio para que o IMT e o Governo apresentem ao setor “medidas concretas e de implementação imediata” para alterar a situação.

Em causa está o “funcionamento deficiente do IMT, nomeadamente os constrangimentos gerados por ineficiências estruturais” do organismo, um tema que foi discutido na última reunião estatutária de transportadores.

“Durante a reunião foi visível o total descontentamento dos empresários para com o funcionamento do IMT, havendo mesmo um sentimento de que a atual situação só poderá ser ultrapassada com manifestações e ações demonstrativas de rutura irreversível entre o setor que representamos e o IMT”, avançou a associação.

O IMT revela uma “total falta de coesão e harmonização de funcionamento entre a liderança central e estruturas descentralizadas, que não se coíbem em atuar segundo os próprios critérios e entendimentos”, criticou a ANTRAM.

Segundo a associação, “esta ineficiência e desorganização dificulta o funcionamento de milhares de empresas de transporte rodoviário de mercadorias, que dependem, por imposição legal, desta estrutura da administração”.

A ANTRAM diz que “não é admissível, nem legal” que, por exemplo, a obtenção de uma cópia certificada de uma licença comunitária demore dois meses ou que “a elaboração de um mero formulário para dar cumprimento à legislação que é publicada tarde seis meses”, exemplificou.

“Não é admissível que — por inexistência de técnicos habilitados para o efeito — não sejam emitidos licenciamentos para equipamentos para transporte especial de indivisíveis”, continua a associação, lembrando que, por sua vez, o Estado exige às transportadoras “o cumprimento de um conjunto de normas, cujo incumprimento é penalizado com elevadas coimas e em que qualquer relacionamento com a administração, por mais simples que seja, carece de pagamento de taxas e emolumentos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Associação de Camionistas ameaça “paralisação total” do setor a partir de junho