empreendedorismo

Associações europeias e asiáticas criam “rede” de apoio a jovens empreendedores

mulheres, ferramentas digitais, empreendedoras
Fonte: Pixabay

Projeto contou com o apoio da Comissão Europeia e incluiu ações de formação a jovens, a técnicos juvenis, intercâmbio e ações de voluntariado.

Uma associação de Braga liderou um projeto que envolveu associações juvenis europeias e asiáticas para criar uma “rede para jovens empreenderdes” com o objetivo de “resolver o problema” do desemprego jovem, encontrando “soluções criativas e inovadoras”.

Apresentado hoje, em Braga, o projeto Youth Network for Social Entrepreneurship, que envolveu associações de Portugal (SYnergia), de Espanha (Associação Cultural Euroaccion, Itália (Scambieuripei) Grécia (Alter Ego), Índia (FSL India) e da Indonésia (Lei Global), pretendia “refletir” sobre alguns dos problemas comuns que afetam os países envolvidos, como o desemprego juvenil, isolamento, exclusão e marginalização.

O projeto contou com o apoio da Comissão Europeia, através do programa Erasmus+, e incluiu ações de formação a jovens, a técnicos juvenis, intercâmbio de técnicos e ações de voluntariado durante dois anos, entre os vários países.

“A ideia foi criar uma rede para jovens empreendedores entre a Ásia e a Europa e resolver o problema do desemprego jovem, uma realidade na Índia e na Indonésia também, principalmente a existência dos jovens ‘NEET’, os que nem estudam, nem estão em processo de aprendizagem, nem trabalham”, explicou Mariana Delgado, uma das coordenadoras do projeto.

Segundo a responsável, o Youth Network for Social Entrepreneurship quis “procurar soluções criativas e inovadoras para os jovens encontrarem um percurso de vida e dar-lhes ferramentas de trabalho para criar projetos e negócios próprios”.

Para isso, além de ações de voluntariado e de contacto com os jovens, disse, “era preciso formar também os técnicos que trabalham e contactam” com eles.

“Um dos objetivos era capacitar técnicos para o apoio ao jovem e criar uma academia de juventude, estes espaços dentro de cada associação, e uma rede, uma ‘youth network’ para partilha de recursos, conhecimentos e uma forma mais fácil de se moverem na Europa e entre os países envolvidos”, explanou.

Com “base” no empreendedorismo social, o projeto tinha ainda por objetivo “refletir sobre a problemática” nos diferentes países.

Mariana Delgado explicou ainda que “a finalidade era criar em cada associação um espaço que facilitasse o processo empreendedor nos jovens, onde o jovem pudesse chegar, dizer que tinha uma ideia, que queria criar o negócio” e onde houvesse “alguém para lhe dar o apoio necessário”.

Assim, a longo de dois anos, o projeto começou em setembro de 2017, foram várias as fases: “Tivemos uma fase de preparação, onde percebemos como trabalhar juntos, depois a fase de implementação e agora a fase de avaliação e ‘flow up’ [acompanhamento]”, enumerou.

O grupo reuniu-se em vários dos países envolvidos para “definir o projeto, o papel de cada um, criar bases de confiança para trabalhar em conjunto” sobre como “motivar os jovens a aparecer, a sair da zona de conforto” e a “motivá-los”.

A responsável do projeto adiantou que deste trabalho surgiu uma ideia para um novo projeto.

“Pensamos numa nova candidatura a um novo projeto de continuação, mas mais focado no empreendedorismo ambiental”, revelou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Associações europeias e asiáticas criam “rede” de apoio a jovens empreendedores