Economia

Atividade económica estabiliza e consumo privado aumenta em junho

pessoas

O indicador coincidente para a atividade económica estabilizou em junho, depois de ter subido nos cinco meses anteriores, enquanto o indicador para o consumo privado aumentou, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Em junho, a taxa de variação homóloga do indicador para a atividade económica manteve-se em 2,2%, tendo o valor de maio sido revisto de 2,1% para 2,2%.

Segundo o BdP trata-se de uma estabilização do indicador para a atividade económica “após ter aumentado nos cinco meses anteriores”.

Já o indicador para o consumo privado aumentou para 2,4% em junho, verificando-se uma revisão em alta do valor de maio, de 2,1% para 2,3%.

De acordo com o BdP, “o indicador coincidente mensal para o consumo privado aumentou pelo terceiro mês consecutivo”.

Considerando o trimestre terminado em junho, a taxa de variação homóloga do indicador para a atividade económica subiu para 2,2%, face aos 2,1% registados em maio (valor agora revisto em alta), e a variação homóloga do indicador para o consumo privado também melhorou para 2,3% face aos 2,2% de maio (leitura também revista em alta dos anteriores 2,1%).

Desde o início do ano, a taxa média de variação do indicador coincidente mensal para a atividade económica é de 2,0% (2,1% no período homólogo de 2018), enquanto a do indicador coincidente mensal para o consumo privado é de 2,2% (2,4% em 2018, valor agora revisto em baixa dos anteriores 2,5%).

Segundo o BdP, os indicadores coincidentes são “indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico”.

A entidade liderada por Carlos Costa refere também que “os valores passados dos indicadores coincidentes podem ser revistos devido quer a revisões estatísticas da informação de base, quer devido à incorporação de nova informação”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pardal Henriques, do SNMMP. 
(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Sem acordo “por 50 euros”, diz sindicato. “Querem impor aumento”, acusam patrões

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Pardal Henriques foi a personalidade mais mediática da greve

Outros conteúdos GMG
Atividade económica estabiliza e consumo privado aumenta em junho