Relatório BCE

Aumento do salário mínimo pode estar a limitar redução do desemprego

Fotografia: Sérgio Freitas/Global Imagens
Fotografia: Sérgio Freitas/Global Imagens

O aumento do salário mínimo pode ter limitado a redução do desemprego para níveis anteriores à crise, diz o BCE.

O aumento do salário mínimo, associado à elevada proteção ao emprego, pode estar a limitar a redução do desemprego para níveis pré-crise. Esta é a conclusão de um relatório do Banco Central Europeu (BCE) elaborado pela chefe de missão para Portugal, a economista Isabel Vansteenkiste, hoje divulgado.

“O nosso modelo sugere que o relativamente elevado salário mínimo, em combinação com o nível elevado de proteção ao emprego, podem limitar o regresso da taxa de desemprego a níveis pré-crise”, pode ler-se no relatório.

No documento intitulado “Did the crisis permanently scar the Portuguese labour market?”, sobre as marcas deixadas pela crise no mercado laboral nacional, a economista do BCE refere que a crise económica e a redução de postos de trabalho no sector da construção “foram os fatores que mais contribuíram para o aumento da taxa de desemprego”. O documento refere ainda que as reformas feitas durante o programa de ajustamento “atenuaram o aumento da taxa de desemprego, em cerca de três pontos percentuais” durante a crise.

O relatório refere também que o aumento do rácio entre o salário mínimo e o salário mediano entre 2008 e 2011 “contribuiu para um aumento da taxa de desemprego em cerca de dois pontos percentuais”. Apesar de no início do programa de ajustamento ter sido acordado o congelamento do salário mínimo nacional nos 485 euros mensais, a redução do salário mediano fez cair a diferença entre os dois.

A esta diferença, Isabel Vansteenkiste junta a subida do salário mínimo em outubro de 2014 (para 505 euros), para concluir que em janeiro de 2015 a taxa de desemprego seria, sem os aumentos, inferior à verificada em três pontos percentuais – rondaria os 11% em vez dos 14%. Se o salário mínimo se mantivesse congelado desde 2008, ou seja, nos 426 euros, a taxa de desemprego no início de 2015 seria de 9% e não de 13%, cerca de quatro pontos percentuais.

O estudo baseia-se na Curva de Beveridge, que estuda a relação entre a taxa de desemprego e o número de vagas de emprego na economia, só tem dados até 2015. Não foram, portanto, contempladas as subidas do salário mínimo nacional de 2016 (para 530 euros) e de 2017 (para 557 euros).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Aumento do salário mínimo pode estar a limitar redução do desemprego