Coronavírus

Áustria prepara alternativa a plano de recuperação franco-alemão

Conferência de imprensa conjunta entre Emmanuel Macron (em videoconferência) com Angela Merkel 
 EPA/ANDREAS GORA
Conferência de imprensa conjunta entre Emmanuel Macron (em videoconferência) com Angela Merkel EPA/ANDREAS GORA

Os dois países propõem fundo de 500 mil milhões de euros. Os quatro “frugais” (Áustria, Holanda, Dinamarca e Suécia) preparam contraproposta.

“Histórico”, “inédito”, “excelente”. Não faltam adjetivos para qualificar o plano franco-alemão para a recuperação económica da União Europeia da hecatombe provocada pela covid-19. E cai um tabu em Berlim, a dívida mutualizada. Não são coronabonds, mas é muito parecido.

Os dois países propõem um envelope financeiro de 500 mil milhões de euros – cerca de 3,5% do produto interno bruto dos 27 – para apoiar os países mais afetados pela pandemia. Mas, desta vez, não são empréstimos. São ajudas diretas financiadas através de dívida emitida pela Comissão Europeia (CE) e apoiada por todos os Estados-membros. O presidente francês garantiu que “não serão empréstimos, mas subvenções”.

O dinheiro seria distribuído pela CE sob a forma de subvenções ou dotações como parte do orçamento normal. Ou seja, não entraria na dívida dos países o que para Portugal (ou a Grécia ou Itália) pode representar um alívio significativo, dado o volume já acumulado. “É uma sinalização clara”, sublinha o economista Paulo Trigo Pereira, ex-deputado independente eleito pelas listas do PS.

A proposta, que foi bem recebida por Bruxelas, ainda precisa de passar pelo crivo de todos os países membros e exige a aprovação por unanimidade. E promete ser um processo tudo menos calmo e sereno. Países como a Áustria, a Holanda, Dinamarca e Suécia – os chamados “frugais” – já apontam para um braço de ferro. “Será preciso ultrapassar esse obstáculo”, frisa o professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).

Os sinais já foram dados. O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, deixou bem marcada a oposição. “Estamos céticos. A nossa posição é clara: queremos ser solidários com os Estados mais afetados pela crise, mas acreditamos que os empréstimos são o caminho certo, não as subvenções”, afirmou ontem depois de ter falado com os homólogos da Holanda, Dinamarca e Suécia.

“Nos próximos dias vamos apresentar uma proposta com as nossas próprias ideias. Acreditamos que é possível estimular a economia europeia e, ao mesmo tempo, evitar a mutualização da dívida”, afirmou Kurz. Advinham-se dias de discussão acesa em Bruxelas.

Portugal reagiu com entusiasmo à proposta franco-alemã. “É uma excelente proposta para se encontrarem mecanismos robustos de resposta à crise europeia, procurando salvaguardar empresas, emprego e rendimentos”, afirmou ontem o primeiro-ministro, questionando sobre a forma como seria distribuído o dinheiro.

As dúvidas
Mas a forma de distribuição é apenas uma das questões ainda por responder sobre a proposta de Paris e Berlim. “Qual vai ser a chave de repartição do fundo de recuperação, se pelos critérios tradicionais da coesão, se por setores (como o turismo) ou por regiões mais afetadas?” questiona António Costa.

E falta também saber, por exemplo, como vai ser reembolsado este empréstimo que a Comissão Europeia vai fazer aos mercados. “O que falta saber é que recursos adicionais vão ser colocados no orçamento europeu para pagar este empréstimo, para não haver cortes, como na política agrícola comum”, aponta Trigo Pereira.

E ainda falta o plano de recuperação que está a ser preparado pela Comissão Europeia e que deve conhecer a luz do dia no final deste mês – tudo aponta para o dia 27 – e que poderá ultrapassar um bilião de euros (os doze zeros que Mário Centeno tem referido repetidamente).

Na declaração conjunta divulgada na segunda-feira, França e Alemanha não esclarecem estas questões e em relação a financiamento apenas surge um parágrafo sobre uma taxa a aplicar à economia digital, mas sem avançar detalhes.

“São taxas e impostos que não geram muita receita, mas é importante avançar, nomeadamente no digital”, aponta Paulo Trigo Pereira. “Se será suficiente ou não, depende do prazo de reembolso deste empréstimo”, acrescenta o professor de finanças públicas.

O influente instituto alemão de análise económica Ifo indicou ontem que os apoios terão de ser pagos no futuro, sinalizando uma aposta em empréstimos em vez de subvenções a fundo perdido. “Um dos aspetos cruciais do fundo [de recuperação] é que o seu financiamento através de dívida é um evento pontual (one-off) com um plano de pagamentos”, afirmou Clemens Fuest presidente do Ifo, acrescentando que “os reembolsos devem começar quando a economia começar a recuperar. Após o aumento da dívida soberana, a Europa deve ter um plano credível para reduzir os seus rácios”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Empresas já podem candidatar-se ao novo lay-off

App TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

Áustria prepara alternativa a plano de recuperação franco-alemão