montijo

Autarca diz que Estudo de Impacte Ambiental viabiliza novo aeroporto

O aeroporto e a ponte Vasco da Gama. (DR)
O aeroporto e a ponte Vasco da Gama. (DR)

O presidente da Câmara do Montijo salientou que existem riscos que são necessários minimizar que passam pela existência de aves no local, por exemplo.

O presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, afirmou esta quarta-feira à Lusa que o Estudo de Impacte Ambiental (EIA) viabiliza a construção do novo aeroporto complementar de Lisboa na base aérea n.º 6.

“Recebi um contacto da ANA a informar que vai entregar em breve ao Governo o EIA, um estudo essencial para fundamentar a escolha do Montijo. A informação que recebei é que o estudo viabiliza o novo aeroporto no Montijo, considerando que é viável e adequado”, declarou à agência Lusa.

Nuno Canta (PS) salientou que existem riscos que são necessários minimizar, que passam pela existência de aves no local, pela necessária gestão das pescas, o ruído dos aviões ou o aumentar do tráfego automóvel.

“Sempre estivemos envolvidos no processo de modo a garantir que a escolha fosse o Montijo e os estudos mostraram que esta é a melhor escolha entre as várias soluções. Existem uma série de elementos que são necessários para minimizar os impactos e os riscos”, salientou.

O jornal de Negócios avançou esta quarta-feira que ANA vai entregar esta semana ao Governo o Estudo de Impacte Ambiental para o projeto do futuro aeroporto complementar de Lisboa, o qual não aponta qualquer impedimento e considera pouco significativa a grande maioria dos impactos analisados.

O autarca do Montijo frisou que já foram realizadas várias reuniões entre as partes envolvidas no processo e que algumas exigências da autarquia, ao nível de infraestruturas e equipamentos, que já estão “muito perto de estar consensualizadas”.

“O EIA defende também que as deslocações entre o aeroporto e Lisboa se devem basear no transporte fluvial e é uma oportunidade para a sustentabilidade da Transtejo. Está ainda em análise ligações fluviais entre os municípios do arco ribeirinho”, disse.

Nuno Canta frisou que o calendário do processo do novo aeroporto na base aérea n.º 6 está a ser cumprido e que, após ser entregue o estudo ao Governo, este será enviado para a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que o vai analisar.

“Já não estamos a falar de um aeroporto para as ‘low-cost’, mas sim de um novo aeroporto a ser construído no Montijo, complementar a Lisboa, com capacidade para todos os voos entre as cidades europeias”, disse.

O Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal assinaram um memorando de entendimento para “estudar aprofundadamente” a solução de um aeroporto complementar no Montijo para aumentar a capacidade do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Autarca diz que Estudo de Impacte Ambiental viabiliza novo aeroporto