Hotelaria

Autarquia de Lisboa arrecadou 31 milhões de euros com taxa turística

Raul Martins, presidente da AHP. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Raul Martins, presidente da AHP. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Parte das verbas provenientes da taxa turística estão alocadas em projetos como o Centro da Ponte 25 de Abril ou o futuro Museu Judaico.

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, defendeu hoje uma “parceria sólida e continuada” entre os hoteleiros e as autarquias que gerem as cidades. Sem isso, “não só não se faz uma cidade atrativa para o turista, como não se faz uma cidade sem retorno para o investimento em turismo”, afirmou o responsável num almoço de associados da AHP.

O principal testemunho desta parceria, segundo Raul Martins, é o modelo do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa encontrado entre a AHP e a Câmara Municipal de Lisboa. Esta parceria, criada em 2016, já permitiu à autarquia encaixar praticamente 31 milhões provenientes da taxa turística.

De acordo com o presidente da AHP, “parte muito substancial” desta verba está alocada em vários projetos, alguns deles já a decorrer, como o Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril ou o futuro Museu Judaico. Mas também no Festival da Eurovisão ou na aquisição do equipamento para limpeza urbana em freguesias com maior procura turística.

No mesmo contexto, Raul Martins aproveitou a ocasião para desafiar a Associação de Turismo de Lisboa a lançar, já em 2019 e, em conjunto com a AHP, um programa de promoção que prolongue a estadia na região de Lisboa. Para tal, considera que é “essencial valorizar outras zonas dentro da cidade” para “descongestionar não só o centro histórico, mas também outras zonas na Área Metropolitana de Lisboa”.

Sobre o alojamento local (AL), em discussão no parlamento, congratulou-se pela posição assumida por Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O presidente da AHP chamou à atenção para a necessidade de regular o AL para “manter a autenticidade das cidades e não criar situações de conflito dos turistas com os residentes locais”.

Para Medina, o que diga respeito ao AL deve ficar “na alçada dos municípios”. Isso significa que, “em Alfama temos de conter, mas que noutras zonas poderemos dizer «sejam bem-vindos»”.

Novo centro de congressos de Lisboa em cima da mesa

Na ocasião, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, mostrou-se também disponível para voltar a analisar o projeto de criação de um novo centro de congressos em Lisboa. A aposta visa promover o turismo de congressos e captar mais visitantes para o destino

Raul Martins afirmou, por sua vez, que a atualização do estudo a construção do novo centro “está em fase final”. “Aguardamos que os polos ‘Descobrir’ se tornem uma realidade”, acrescentou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Autarquia de Lisboa arrecadou 31 milhões de euros com taxa turística