INE

Avaliação das casas sobe para 1215 euros e volta a bater recorde

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

Os números foram publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A avaliação bancária das casas subiu para 1215 euros por metro quadrado em novembro, mais três euros em relação ao mês anterior. O aumento foi de 6,2% face ao mesmo mês do ano passado, o equivalente a 71 euros. Os valores são calculados com base nos pedidos de crédito para a compra de casa.

Desde abril do ano passado que a avaliação bancária das casas tem subido todos os meses. Nesse mês, o valor era de 1110 euros por metro quadrado. Em 20 meses a subida dos preços foi de 9,5%.

A análise de novembro conclui que a avaliação dos apartamentos manteve-se face a outubro, nos 1277 euros, enquanto a das moradias aumentou 5 euros para 1115 euros.

A nível regional, segundo o INE, foi nos Açores que se registou a maior subida do valor da avaliação das casas (0,7%). No Alentejo registou-se uma quebra de 1,5%.

Algarve, Lisboa, Madeira e Alentejo Litoral continuam a registar valores acima da média nacional. No extremo oposto está a região das Beiras e Serra da Estrela, onde a avaliação bancária das habitações está 32% abaixo da média.

Na Área Metropolitana de Lisboa o valor aumentou seis euros em relação a outubro e 103 euros num ano. Na cidade de Lisboa a média cresce. Em novembro a avaliação média das casas foi de 2161 euros por metro quadrado, mais 30 euros do que em outubro e mais 53 euros na comparação com o mesmo mês de 2017. Na cidade do Porto a média de novembro foi de 1841 euros por metro quadrado, o que significa um acréscimo mensal de 18 euros e de 267 euros na comparação anual.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Avaliação das casas sobe para 1215 euros e volta a bater recorde