Rating

B2, estável: Moody’s também já classifica a TAP

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. (Foto Adelino Meireles / Global Imagens)
Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. (Foto Adelino Meireles / Global Imagens)

Depois da S&P, a Moody’s. A TAP tem agora duas agências internacionais de rating a avaliar a companhia aérea portuguesa, que se estreia abaixo do nível de água com perspetiva estável.

“A agência de notação financeira Moody’s atribuiu hoje o rating B2 (outlook stable) à TAP e o rating B2 à emissão de obrigações no valor indicativo de 300 milhões de euros, dirigida a investidores institucionais, divulgada ontem ao mercado”, comunicou a TAP esta noite. A classificação do perfil de crédito da companhia é inferior à que fora ontem atribuída pela S&P – respetivamente, nos níveis cinco e três de lixo, sendo portanto considerado investimento especulativo mas estando ao nível de outras grandes companhias (leia mais aqui).

A transportadora aérea nacional anunciou ontem uma emissão de dívida de 300 milhões com maturidade em 2024, reservada a investidores institucionais (bancos, fundos de pensões, fundos de investimento, fundos de capital de risco ou seguradoras). Antecipar o reembolso de empréstimos no âmbito do passivo existente da TAP e alargar o respetivo prazo médio de maturidade, pagamento de comissões e despesas relacionadas com a oferta das obrigações são os objetivos.

Leia aqui mais sobre a emissão de dívida da TAP

Depois de, ontem, ter comunicado a intenção de contratar mais 800 pessoas em 2020 para fazer face ao crescimento, a TAP anunciou hoje a abertura de três novas rotas para o continente americano, com destino a Maceió, Brasil, Montreal, Canadá, e Boston, EUA, subindo para 11 o total de destinos no Brasil e somando um total de 22 para os quais os aviões portugueses voam no continente americano. “Um momento histórico e um passo importante na expansão da rede da companhia”, considera o CEO, Antonoaldo Neves.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Abraão (c), secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP).   MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Fesap desafia sindicatos na contestação aos aumentos na função pública

Secretário de Estado da Administração Pública, José Couto.

Governo diz que foi “até onde podia ir” nos aumentos da função pública

(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo dá tolerância de ponto a 24 e 31 de dezembro aos funcionários públicos

Outros conteúdos GMG
B2, estável: Moody’s também já classifica a TAP