Banca espanhola precisa de “muito mais capital” para recuperar a confiança dos mercados

Os bancos espanhóis precisam de “muito mais capital” para recuperar a confiança dos mercados, de acordo com a revista britânica The Economist. Segundo as suas contas, a banca do país vizinho vai precisar entre 60 mil milhões e 80 mil milhões de euros adicionais.

Num artigo intitulado “Falsa cimeira”, a publicação, citada pelo Expansíon, recorda que o FMI também acredita que os bancos precisam de mais financiamento, apesar de não revelar a quantia.

Assim, para as entidades financeiras espanholas vai ser “difícil” angariar capital privado, pelo que o “problema vai passar para o Governo”, cujas finanças estão debaixo de escrutínio”, ou optar pela solução do “fundo de resgate europeu”.

Perante a possibilidade de Espanha ter de recorrer aos fundos europeus para angariar o capital que os bancos precisam, a revista avisa de que o “poder dos fundos é mais limitado do que se tem dito”.

A The Economist reconhece os esforços do Governo de Mariano Rajoy que tem conseguido que “poucos investidores duvidem agora dos créditos hipotecários dos bancos”, já que conseguiram boas provisões para cobrir a falta de pagamentos. Apesar de tudo, a publicação avisa que a maior preocupação agora são “os outros empréstimos” para os que “apenas há provisões”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Robin Wright, fotografada por Peter Lindbergh. Fotografia: D.R.

Pirelli. O calendário volta a surpreender

Foto: Paulo Alexandrino / Global Imagens

Turismo: Governo cede Pavilhões do Parque nas Caldas da Rainha a privados

francesinha IKEA

IKEA. E os suecos renderam-se à francesinha

Fotografia: Tim Wimborne/Reuters

A partir de hoje há novas regras sobre neutralidade de rede

Os 22 melhores hotéis portugueses por menos de 120 euros

22 hotéis portugueses que tem mesmo de visitar

fotografia: REUTERS/Thomas Peter

Como aumentar qualidade e eficiência num só passo

Conteúdo Patrocinado
Banca espanhola precisa de “muito mais capital” para recuperar a confiança dos mercados