Banca precisa de 500 milhões para cumprir requisitos europeus em 2022

Só o Crédito Agrícola precisa de se financiar em 250 milhões. CGD está, também, a preparar uma emissão de dívida para este ano

Os bancos portugueses vão precisar de se financiarem no mercado internacional, nos próximos meses, precisando, pelo menos, de 500 milhões de euros. A notícia é avançada pelo Expresso, que assume que a estimativa é conservadora.

Em causa está a necessidade de refinanciar dívida que está prestes a atingir a maturidade ou de cumprir requisitos mínimos de fundos próprios e passivos elegíveis (MREL) exigidos pelos reguladores europeus. O MREL tem metas para cumprir em 2024, mas também objetivos intermédios já em 2022, medidos em função dos fundos próprios e dos instrumentos de dívida face aos ativos ponderados pelo risco.

A Caixa Geral de Depósitos precisa de dois mil milhões de euros até ao fim de 2023, indica o Expresso. "A CGD está a implementar o seu plano de financiamento para cumprimento dos requisitos de MREL, sendo possível a realização de uma emissão em 2021", refere a instituição ao jornal, sem indicar o montante para este ano. Mas o presidente executivo da CGD já assumiu que pretende aproveitar essa emissão para reembolsar no próximo ano o empréstimo obrigacionista de 2017, no âmbito do plano de reestruturação do banco. Conclui o Expresso que a CGD precisará, pelo menos, de 250 milhões a curto prazo.

Também o Crédito Agrícola terá de ir ao mercado. "Encontra-se agendada uma reunião extraordinária da assembleia-geral da Caixa Central para o dia 14 de setembro para deliberar sobre a emissão obrigacionista no valor até 500 milhões", confirma a instituição.

BCP e Novo Banco já realizaram emissões de dívida este ano, mas não esclareceram se os montantes serão suficientes para cumprir as metas de MREL.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de