Coronavírus

Banco de Espanha piora previsões de crescimento do país para 2021

Banco de Espanha FOTO:DR
Banco de Espanha FOTO:DR

O Banco de Espanha afastou hoje uma recuperação económica rápida do país, tendo mantido para 2020 uma previsão de contração entre 10,5 e 12,6% e revisto a de crescimento para 2021 para entre 4,1 e 7,3%.

No seu relatório económico trimestral publicado hoje, a entidade centra as suas previsões até 2022 na hipótese de uma recuperação gradual, para a qual projeta dois cenários que dependem da evolução dos surtos de covid-19 e das medidas de contenção, após um terceiro trimestre de 2020 para o qual calcula uma recuperação do PIB (Produto Interno Bruto) entre 13 e 16,6%.

No final de 2022, a entidade estima que o nível do PIB será cerca de dois pontos percentuais abaixo do nível de antes da crise no cenário um e ligeiramente mais, de 6 pontos abaixo, no cenário dois.

O primeiro cenário prevê o aparecimento de surtos da pandemia que exigiriam apenas medidas de contenção limitadas geográfica e sectorialmente, com maior impacto no lazer e na hotelaria, enquanto o segundo assume medidas mais drásticas, que afetariam mais atividades no setor dos serviços e limitariam o dinamismo do resto dos ramos produtivos.

No primeiro cenário, o PIB cairia 10,5% em 2020 e baixaria 12,6% no segundo cenário, em linha com os 11,6% projetados pela entidade no seu cenário central das previsões feitas em junho passado.

A recuperação no segundo semestre deste ano teria um efeito positivo no crescimento do PIB em 2021, atingindo 7,3% no cenário um e 4,1% no cenário dois, ambos abaixo dos 9,1% projetados em junho.

Nenhum dos dois cenários toma em consideração o efeito positivo “potencialmente relevante” no PIB dos fundos europeus, até 140 mil milhões de euros, previstos para Espanha, porque os pormenores da magnitude, destino e distribuição temporária destes recursos são desconhecidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

(JOSÉ COELHO/LUSA)

Cadeias de retalho contra desfasamento de horários. Aguardam publicação da lei

Banco de Espanha piora previsões de crescimento do país para 2021