Banco de Portugal lucra mais 20% e entrega 243 milhões ao Estado

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal

O Banco de Portugal acaba de revelar o relatório do conselho de administração no qual adianta que fechou 2014 com um lucro de 304 milhões de euros. A somar a isto, o supervisor liderado por Carlos Costa vai entregar 243 milhões em dividendos para os cofres do Estado.

Contas feitas, o Banco de Portugal fechou 2014 com lucros de 304 milhões de euros, um aumento de 51 milhões ou equivalente a uma subida de 20% face aos 253 milhões arrecadados no ano anterior. A contribuir para este crescimento estiveram os resultados realizados em operações financeiras e a redução dos prejuízos não realizados.

Estes resultados permitiram à autoridade liderada por Carlos Costa entregar 80% do montante para os cofres do Estado, mais concretamente 243 milhões de euros em dividendos.

“O resultado apurado possibilitou uma distribuição de dividendos ao Estado de 243 milhões de euros (202 milhões em 2013), sujeitos a retenção na fonte de IRC, resultando num dividendo líquido de 191 milhões de euros”, explica.

Este valor de dividendos a distribuir relativamente ao exercício de 2014 está acima do montante médio entre 2007 e 2014, uma vez que, naquele período, foram distribuídos 196 milhões de euros por ano, em média.

Novo Banco obriga a “esforço sem precedentes”

O relatório também menciona a medida de resolução aplicada ao BES em agosto passado. “A aplicação da medida de resolução ao BES obrigou a um esforço sem precedentes para salvaguardar a estabilidade financeira”, revela o documento.

“A aplicação da medida de resolução ao BES, em agosto, pôs à prova as estruturas e as equipas do Banco, que trabalharam num contexto de grande complexidade e exigência, sem experiência de casos precedentes, para salvaguardar a confiança e a estabilidade do sistema financeiro nacional”, acrescenta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Banco de Portugal lucra mais 20% e entrega 243 milhões ao Estado