competitividade

Banco Mundial mudou “injustamente” relatórios sobre o Chile

Santiago do Chile
Santiago do Chile

O Banco Mundial alterou as metodologias de cálculo de um dos seus relatórios de forma "injusta e enganosa" durante vários anos.

O Banco Mundial alterou as metodologias de cálculo de um dos seus relatórios de forma “injusta e enganosa” durante vários anos, o que afetou a posição do Chile quanto a competitividade empresarial, informou hoje The Wall Street Journal.

O economista-chefe do Banco Mundial (BM), Paul Romer, declarou ao jornal que vai corrigir a situação e recalcular os ‘rankings’ de competitividade nos negócios que constam do relatório “Doing Business” dos últimos quatro anos, período que coincidiu com o mandato da presidente Michelle Bachelet.

Romer acrescentou que a revisão vai afetar o Chile, cuja posição nessa lista foi “particularmente volátil” nos últimos anos devido a “motivações políticas” do Banco Mundial.

Segundo o mesmo responsável, as alterações na metodologia de cálculo “penalizaram fortemente” a posição do Chile no mandato mais recente de Bachelet e as correções vão centrar-se nisso.

“Quero pedir desculpas ao Chile e a qualquer outro país ao qual possamos ter transmitido uma impressão errada”, disse Romer, que assumiu a “culpa” pelo ocorrido.

A posição do Chile na lista variou entre o número 25 e 57 desde o ano de 2006, um período em que alternaram no poder a socialista Bachelet e o conservador Sebastián Piñera.

No período de Bachelet a posição do Chile no ‘ranking’ deteriorou-se repetidamente, mas “subiu” com Piñera.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Banco Mundial mudou “injustamente” relatórios sobre o Chile