Comissão Europeia

Barroso e Merkel admitem alterações ao Tratado de Lisboa

O presidente da Comissão Europeia e a chanceler alemã admitiram hoje
em Bruxelas a necessidade de se proceder a alterações ao Tratado de
Lisboa, para melhorar o funcionamento da Zona Euro e aumentar a
confiança dos mercados.

Numa conferência de imprensa conjunta no
final de uma visita da chanceler alemã à sede da Comissão, em Bruxelas,
Angela Merkel e Durão Barroso disseram que uma alteração ao tratado
deve ser encarada sem tabus, já que poderá revelar-se necessária para
travar a crise da dívida soberana.

“Não devemos excluir a
possibilidade de alterações ao Tratado. Queremos que o euro seja um
sucesso e, por isso, temos de disponibilizar os meios para atingir esse
sucesso”, afirmou Merkel.

Também Durão Barroso repetiu uma
mensagem deixada já na semana passada no Parlamento Europeu, em
Estrasburgo, afirmando que “poderá ser necessário alterar o Tratado com
vista a uma maior integração (europeia) se os actuais mecanismos se
revelarem insuficientes”.

“Não estamos a propor uma alteração ao
Tratado para evitar as decisões que temos de tomar agora. Não é uma
forma de adiá-las, porque algumas têm de ser tomadas já. Mas sim,
provavelmente, no futuro, poderá acontecer que precisemos de alterações
ao Tratado”, disse.

O presidente do executivo comunitário
acrescentou que o facto de se estar agora a falar em alterações ao
Tratado “é também uma boa indicação para os chamados mercados e
investidores” de que há uma vontade de caminhar rumo a “uma maior
integração na UE e na Zona Euro e não menos Europa”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Barroso e Merkel admitem alterações ao Tratado de Lisboa