crescimento

BBVA e Montepio estimam que crescimento económico abrande no 4.º trimestre

Banco Montepio
Banco Montepio

O Montepio estima que o PIB cresça entre 0,3% e 0,5% no quarto trimestre, em ligeira desaceleração face aos 0,5% observados no terceiro.

O crescimento económico deverá abrandar ligeiramente no último trimestre do ano, ao subir 0,4% face ao trimestre anterior, depois de um aumento em cadeia de 0,5%, estimam os analistas dos bancos Montepio e BBVA.

No Semanal de Economia e de Mercados divulgado hoje, o Montepio tem em consideração indicadores sobre construção, comércio externo e serviços para estimar que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça entre 0,3% e 0,5% em cadeia no último trimestre, “em ligeira desaceleração face aos 0,5% observados no terceiro trimestre”.

Os analistas antecipam que, no último trimestre de 2017, a economia “seja suportada tanto pela procura interna, em concreto pelo consumo privado e pelo investimento em capital fixo (FBCF), como pelas exportações líquidas”.

Já no observatório económico de dezembro, que também foi publicado hoje, o BBVA prevê que o crescimento no quarto trimestre se situe em cerca de 0,4% em cadeia, “consolidando uma certa estabilização em torno destes níveis após os fortes avanços de fins de 2016 e princípios de 2017”.

Os analistas do banco espanhol justificam esta subida do PIB com “novos aumentos da procura interna, tanto do consumo privado como do investimento, que seriam parcialmente neutralizados por contribuições negativas da procura externa, dada a correção que se poderá estar a verificar nas exportações depois do forte aumento observado durante os últimos meses”.

Nesse sentido, o BBVA mantém uma previsão de crescimento do PIB para o conjunto de 2017 de 2,6% e de 2,3% para 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Outros conteúdos GMG
BBVA e Montepio estimam que crescimento económico abrande no 4.º trimestre