Política Monetária

BCE corta compras de dívida portuguesa em 45%

Vítor Constâncio e Mario Draghi. Fotografia: REUTERS/Ralph Orlowski
Vítor Constâncio e Mario Draghi. Fotografia: REUTERS/Ralph Orlowski

BCE comprou apenas 656 milhões de euros em dívida nacional em fevereiro, quase metade do valor das aquisições em igual mês de 2015.

O Banco Central Europeu (BCE) comprou apenas 656 milhões de euros em dívida pública portuguesa em fevereiro ao abrigo do programa de expansão monetária (QE ou quantitative easing). Trata-se do valor mensal mais baixo desde que o programa arrancou (em março de 2015) e é quase metade (menos 45%) face ao montante de aquisições realizadas em igual mês de 2016.

Segundo informou o BCE nesta segunda-feira, este mínimo da série do QE vem sobrepor-se ao anterior, 688 milhões em compras registadas em janeiro, que equivaleram a uma significativa redução homóloga de 42,5%.

Esta forte redução nas compras do BCE ajuda a explicar a subida pronunciada nas taxas de juro das Obrigações do Tesouro (OT) registada em janeiro. E no início de fevereiro também, tendo as taxas a dez anos superado mesmo os 4,2%.

Atualmente, negociam em quase 4% no mercado secundário, valor que é considerado demasiado elevado já que o país tem um fardo de dívida total que equivale a mais de 130% do Produto Interno Bruto, obrigado os contribuintes a pagarem mais de 8 mil milhões de euros anuais em juros.

Esta fatura com juros agrava o défice e força cortes noutras áreas da despesa, aumentos de receita, bem como a manutenção de um nível de impostos muito elevado.

Desde o arranque do QE, o BCE comprou já quase 26 mil milhões de euros em OT portuguesas, com uma maturidade média de 9,3 anos.

Uma vez que o plano de compras de Frankfurt segue a chave da capital dos países no BCE, os títulos alemães são os mais comprados (quase 17 mil milhões de euros em fevereiro, 339 mil milhões de euros desde o início do programa. França é segundo (13,5 mil milhões de euros em compras no mês de fevereiro, 267 mil milhões de euros acumuladas). Itália é terceiro (12 mil milhões no mês passado, 234 mil milhões de euros no total até agora).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

BCE corta compras de dívida portuguesa em 45%