Criptomoedas

BCE recomenda prudência com moedas virtuais

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu. Fotografia: REUTERS/Vincent Kessler
Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu. Fotografia: REUTERS/Vincent Kessler

Presidente do BCE assinala que tecnologia blockchain "pode melhorar a eficiência nas transações".

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, recomendou hoje prudência relativamente às criptomoedas, “porque não são apoiadas por nenhum banco central ou Governo”, e afirmou que não compete ao BCE regularizar as ‘bitcoin’.

Draghi acrescentou, num vídeo publicado hoje na página eletrónica do BCE, que o ‘blockchain’ – também designado de protocolo da confiança (inviolável) que permite a transação com moedas virtuais — “é uma tecnologia inovadora que pode melhorar a eficiência”.

“Estamos a estudar se poderemos utilizá-la nos nossos serviços no futuro”, disse.

Draghi respondia, numa entrevista em vídeo, a perguntas enviadas por jovens através das redes sociais Twitter e Facebook sobre a recuperação económica e o desemprego dos jovens na Europa, as criptomoedas e a tecnologia ‘blockchain’, ou a possibilidade de uma nova crise económica mundial.

O presidente do BCE confirmou que “a economia europeia registou vários anos de expansão ininterrupta e o nível de emprego é agora mais alto do que nunca”.

“Devemos continuar a melhorar e assegurar que todas as pessoas beneficiem dela”, salientou.

“A recente crise foi severa, mas o pior já passou. Os países europeus chegaram à crise com debilidades significativas e não conseguiram reagir adequadamente. Foram feitos progressos muito significativos em muitas áreas, o que nos faz estar mais bem preparados para o futuro”, concluiu o presidente do BCE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Finanças cortam 11% na verba para descongelar carreiras em 2019

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte REUTERS/Alessandro Bianchi

Itália não cede a Bruxelas e mantém orçamento

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

Vieira da Silva admite que 600 euros são “ponto de partida”

Outros conteúdos GMG
BCE recomenda prudência com moedas virtuais