Coronavírus

BE critica Fundo de Recuperação europeu “subfinanciado e sobrecondicionado”

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda. 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda. ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

O BE considerou hoje que o fundo de recuperação económica proposto pela Comissão Europeia está “subfinanciado e sobrecondicionado”, além de não responder às necessidades dos estados-membros.

Esta posição foi assumida pela deputada bloquista ao Parlamento Europeu Marisa Matias num vídeo divulgado hoje pelo partido, depois de ter sido conhecida a proposta da Comissão Europeia para responder à crise económica e social gerada pela pandemia de covid-19 na Europa.

A proposta para o Fundo de Recuperação da União Europeia “fica muito aquém dos montantes” necessários “para responder à crise pandémica, e trata-se de uma proposta que tem muita condicionalidade associada, ao contrário daquilo” que a Europa precisa, afirmou Marisa Matias.

“Trata-se, portanto, de um Fundo de Recuperação subfinanciado e sobrecondicionado”, criticou.

Afirmando que já sabe “o que significa a condicionalidade”, porque foi a opção em “crises anteriores”, Marisa Matias apontou que esse caminho levou ao desinvestimento em serviços públicos necessários, particularmente numa crise pandémica como esta.

Por isso, apelidou a condicionalidade de “um tiro nos pés”.

“Nós não podemos aceitar uma proposta que nos fará pagar mais tarde um preço muito mais caro do que aquele que está a ser agora atribuído”, assinalou.

Na ótica do BE, “a Comissão Europeia precisaria de ter apresentado uma proposta robusta, com financiamento que respondesse às necessidades, e que retirasse a condicionalidade do mapa dos recursos que vão ser disponibilizados”.

“De outra forma estamos a caminhar para um futuro que já conhecemos, porque é muito igual ao passado”, frisou Marisa Matias.

A Comissão Europeia vai propor um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros para a Europa superar a crise provocada pela pandemia da covid-19, revelou hoje o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni.

“A Comissão propõe um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros, além dos instrumentos comuns já lançados. Um avanço europeu para fazer face a uma crise sem precedentes”, escreveu o comissário italiano na sua conta oficial na rede social Twitter.

De acordo com a agência noticiosa alemã Dpa, dois terços do montante do Fundo, ou seja 500 mil milhões de euros, serão canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido, e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos.

Portugal poderá arrecadar 26,3 mil milhões de euros no âmbito deste fundo, dos quais 15,5 mil milhões de euros em subvenções (distribuídas a fundo perdido) e 10,8 mil milhões de euros sob a forma de empréstimos concedidos em condições favoráveis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen no discurso do Estado da União. EPA/OLIVIER HOSLET

Regra europeia poria salário mínimo português nos 663 euros

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

BE critica Fundo de Recuperação europeu “subfinanciado e sobrecondicionado”