OE2020

BE propõe IVA da eletricidade e gás natural a 13% a partir de julho

Catarina Martins, coordenadora nacional do partido Bloco de Esquerda (GREGÓRIO CUNHA / LUSA)
Catarina Martins, coordenadora nacional do partido Bloco de Esquerda (GREGÓRIO CUNHA / LUSA)

O BE propôs que a taxa do IVA da eletricidade e do gás natural desça para os 13% já a partir de julho.

O Bloco pretende ainda que a taxa reduzida de 6% seja atingida durante a legislatura.

De acordo com uma proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) a que a agência Lusa teve acesso, os bloquistas pretendem que a eletricidade e o gás natural sejam aditadas à lista II anexa ao Código do IVA, que fixa os produtos na taxa intermédia de 13%.

Na proposta, o BE reconhece “a energia como bem de primeira necessidade” e assume o objetivo de “assegurar, na presente legislatura, a progressiva redução do seu IVA até à taxa reduzida”.

A descida do IVA da energia tem sido uma bandeira dos bloquistas, que a semana passada, após o acordo com o Governo para um conjunto de propostas, assumiram que este dossiê seria uma das prioridades para a especialidade, uma vez que não tinha sido possível chegar a um entendimento com o executivo socialista.

A taxa do IVA da energia passou para o valor máximo durante o período da ‘troika’.

Na proposta do OE2020 aprovada na generalidade na semana passada foi introduzida uma autorização legislativa no sentido de “permitir ao Governo criar escalões de consumo de eletricidade baseados no modelo de potências contratadas existente no mercado elétrico português, beneficiando os consumos mais reduzidos de eletricidade e penalizando os consumos excessivos”.

No entanto, esta medida está dependente de aprovação do Comité do IVA da Comissão Europeia, instituição a que o Governo já pediu autorização, tendo esta sido reforçada por uma carta do primeiro-ministro, António Costa, à presidente do executivo comunitário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Joao Silva/ Global Imagens)

Preço das casas aumentou 1,7% em novembro

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI. Fotografia: EPA/MICHAEL REYNOLDS

FMI corta crescimento dos maiores parceiros de Portugal: Espanha e Alemanha

Isabel dos Santos  EPA/TIAGO PETINGA

Isabel dos Santos: Angola escolheu um caminho em que “todos vão ficar a perder”

BE propõe IVA da eletricidade e gás natural a 13% a partir de julho