Economia

Bélgica e Finlândia apoiam ideias de Macron para Europa mais forte

Foto: EPA/JULIEN DE ROSA
Foto: EPA/JULIEN DE ROSA

O apelo do Presidente francês, Emmanuel Macron, para uma Europa mais forte, num artigo em que propôs um “Conselho europeu de segurança interna” e um “banco europeu do clima”, recebeu hoje o apoio da Bélgica e da Finlândia.

A primeira-ministra da Finlândia, Juha Sipila, apoiou o apelo de Macron à “segurança, crescimento sustentável e uma política climática ambiciosa”, num artigo publicado na segunda-feira em 28 países.

“A União Europeia é capaz de tomar decisões e implementá-las”, acrescentou Sipila na rede social twitter.

O primeiro-ministro belga Charles Michel afirmou que aspirava particularmente a uma “Europa que protege a liberdade e a democracia”, revelou a agência Belga.

Contudo, em França, onde a popularidade de Macron tem vindo a cair desde a sua eleição, o artigo foi recebido com ceticismo.

Nadine Morano, da oposição republicana, afirmou que no artigo de Macron “a palavra França aparece apenas uma vez”.

“Isto é o Macronismo, a França tem de desaparecer neste federalismo europeu”, afirmou.

No artigo, Macron defendeu a formação de um “Conselho europeu de segurança interna que associe o Reino Unido”, para preparar “decisões coletivas da União Europeia (UE) na área da defesa.

O Presidente francês considerou que a UE deverá dotar-se de um “tratado de defesa e de segurança” que definirá as obrigações dos países da UE em ligação com a NATO e os seus aliados europeus da União: “aumento das despesas militares, cláusula de defesa mútua operacional, Conselho de segurança europeu associando o Reino Unido”.

O chefe do Eliseu propõe ainda um “Banco europeu do clima” para financiar a transição ecológica e ainda uma “revisão do espaço Schengen” para restabelecer “a liberdade em segurança”.

Macron preconizou em paralelo uma “polícia de fronteiras comum e um gabinete europeu de asilo, estreitas obrigações de controlo, uma solidariedade europeia com contribuição de cada país, sob autoridade de um Conselho europeu de segurança interna”.

As eleições para o Parlamento Europeu decorrem entre 23 e 26 de maio, realizando-se em Portugal a 26 de maio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Bélgica e Finlândia apoiam ideias de Macron para Europa mais forte