BES: Ministra das Finanças e Carlos Costa no Parlamento na próxima semana

Maria Luís Albuquerque. ministra das Finanças
Maria Luís Albuquerque. ministra das Finanças

As audições da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, e do governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, no Parlamento, devido à situação no Grupo Espírito Santo (GES), estão agendadas para quinta-feira e sexta-feira, respetivamente.

Maria Luís Albuquerque vai ser ouvida sobre as nomeações para a administração do Banco Espírito Santo (BES) na comissão do Orçamento e Finanças na quinta-feira, pelas 15h30, enquanto Carlos Costa será ouvido no dia seguinte, pelas 10h00, acerca dos problemas vividos no BES.

Leia também:Mota Pinto é chairman e lidera conselho estratégico do BES

O requerimento para a audição da ministra partiu da iniciativa do Bloco de Esquerda, que também solicitou a presença do presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, na mesma comissão parlamentar, para escutar a sua posição acerca da situação no GES.

Na página oficial da Assembleia da República ainda não consta o agendamento desta última audição, que deverá ocorrer em breve, já que todos os partidos aprovaram a chamada dos três responsáveis ao Parlamento.

Já o requerimento para a audição do governador do BdP foi apresentado pelo PCP.

Nas últimas semanas, foram tornados públicos vários problemas no Grupo Espírito Santo (GES), a que se juntam alterações na gestão do BES, com a saída do líder histórico do banco, Ricardo Salgado.

Depois de inicialmente ter sido apontado o atual administrador financeiro Morais Pires para presidente executivo do banco, no sábado, o ESFG anunciou que vai propor o economista Vítor Bento (atual presidente da gestora do Multibanco, SIBS) para presidente executivo e João Moreira Rato (atual presidente do IGCP, entidade responsável pela emissão e gestão da dívida pública) para administrador financeiro. Já o deputado social-democrata e ex-juiz do Tribunal Constitucional Paulo Mota Pinto será presidente do Conselho de Administração (chairman).

Estas nomeações levaram a críticas dos partidos da oposição, que referem uma partidarização do BES.

Na final da noite de quinta-feira, o BES garantiu em comunicado que as potenciais perdas resultantes da exposição ao grupo homónimo (GES) “não põem em causa o cumprimento dos rácios de capital”. O BES explicitou que detinha 2,1 mil milhões de euros acima do rácio mínimo regulamentar e uma exposição de 1,182 mil milhões de euros ao GES.

Hoje, o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, disse que os depositantes do BES têm razões para confiar no banco e afirmou não ter dúvidas quanto à tranquilidade do sistema financeiro português.

“Os depositantes têm razões para ter toda a confiança quanto à segurança que o Banco Espírito Santo oferece às suas poupanças”, disse Pedro Passos Coelho.

O primeiro-ministro, que falava aos jornalistas em Lisboa, à margem do Conselho de Concertação Territorial, relembrou a separação entre os negócios da família Espírito Santo e o BES.

Também durante a manhã, o Banco de Portugal saiu a público para garantir que o BES detém um montante de capital “suficiente” para acomodar eventuais impactos negativos decorrentes da exposição ao GES, tranquilizando os clientes em relação aos seus depósitos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Centeno adia esboço orçamental de 2020 até quarta de manhã

Outros conteúdos GMG
BES: Ministra das Finanças e Carlos Costa no Parlamento na próxima semana