IRS

Bloco apoia Governo PS se este avançar com englobamentos do IRS

Catarina Martins, do BE. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
Catarina Martins, do BE. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Ainda não está decidido se englobamento de rendas prediais entra em 2020 ou 2021, mas seja como for medida deverá ser simbólica e ter pouco alcance

A coordenadora do BE defendeu, este sábado, o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.

Por exemplo, o englobamento dos rendimentos prediais no IRS é uma medida prevista no programa do Governo, podendo ser aplicada nos quatro anos da legislatura.

No entanto, apesar das grandes expectativas criadas em ambiente eleitoral, o Jornal de Negócios referiu esta semana que, apesar de o programa do governo prever o englobamento de rendimentos prediais, o primeiro-ministro, António Costa, “veio pôr água na fervura”.

Segundo o jornal, “ainda não está decidido” se a modalidade do englobamento entra em 2020 ou 2021, mas “é ponto assente que a medida será simbólica e negligenciável do ponto de vista fiscal ao contrário da expectativa criada”.

De acordo com a Lusa, o Bloco está disposto a apoiar o governo se este quiser ir mais longe na medida. “O que nós queremos é simultaneamente alívio fiscal para quem trabalha e mais justiça fiscal no nosso país, cobrando a quem ganha muito e não tem pago a sua devida parte”, afirmou Catarina Martins.

A líder do Bloco de Esquerda (BE), que falava à margem de uma visita que fez ao Festival dos Míscaros, que decorre em Alcaide, Fundão, explicou que o seu partido colocou em cima da mesa de negociações com o Governo que estão em curso, esta medida dupla sobre o IRS.

“Nós achamos que é preciso aliviar o IRS de quem trabalha. Quem trabalha em Portugal paga muitos impostos sobre o seu salário e sobre a sua pensão. E nós temos há muito uma discussão com o ministro Mário Centeno sobre a necessidade de criar mais escalões [IRS]”, frisou.

BE também apoia governo na criação de mais escalões de IRS

Catarina Martins sublinhou ainda que o Governo acabou por criar, na última legislatura, mais escalões de IRS, mas entende que é possível no próximo Orçamento de Estado, continuar esse caminho de alivio fiscal para quem vive do seu salário ou da sua pensão, criando mais escalões de IRS.

“Ao mesmo tempo, propomos uma medida de justiça fiscal que é o englobamento no IRS para que aquelas pessoas cujo rendimento não vem do trabalho, mas vem por exemplo de ações, paguem de impostos o mesmo que paga quem vive do seu salário ou da sua pensão. Porque, um país em que o salário e a pensão pagam mais impostos do que os rendimentos do capital é um país injusto”, afirmou.

A líder do BE, entende que a forma certa de construir alivio fiscal para quem vive do seu trabalho, salário ou pensão e pagarem menos impostos, passa por fazer, ao mesmo tempo, um caminho de englobamento do IRS.

“Isso faz que quem ganhe milhões com rendimentos de capital e rendimentos prediais passe a pagar taxas de IRS iguais às pessoas que pagam a taxa sobre o seu salário e a sua pensão”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas. Novo Banco custa mais 0,3% do PIB em 2020, vírus não se sabe

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Bruxelas quer prolongar restrição de viagens até ao dia 15 de maio

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

UGT contesta lay-off e não renovação de contratos na TAP

Bloco apoia Governo PS se este avançar com englobamentos do IRS