OE2019

Bloco de Esquerda diz que “é este o tempo de investir”

A Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA
A Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

Catarina Martins considera que, com a economia a crescer, este é o tempo para investir, com um Orçamento do Estado que aposte nos serviços públicos.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou hoje que, com a economia em crescimento, este é o tempo para investir, com um Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) que aposte nos serviços públicos.

Com as negociações do OE2019 a decorrer, era esperado que Catarina Martins dedicasse parte do seu discurso de encerramento da ‘rentrée’ do BE à proposta orçamental do próximo ano, tendo deixado o mote bem claro: “Investir”.

“Investir. É este o tempo. Se não fora agora, quando? É agora que a economia cresce e que estamos a recuperar. É agora que podemos e devemos. Se não o fizermos, se deixarmos degradar mais os serviços públicos, as infraestruturas, o território, estaremos a hipotecar o futuro”, enfatizou.

A coordenadora do BE elencou propostas do partido para o OE2019, sendo algumas delas bandeiras já conhecidas como a descida do IVA da luz e do gás ou o aumento mínimo de 10 euros nas pensões mais baixas já em janeiro.

Uma das grandes apostas dos bloquistas no último orçamento da legislatura é o investimento nos serviços públicos.

No caso da saúde, e para “salvar o SNS”, Catarina Martins defendeu o aumento de verbas, o fim das taxas moderadores e valorização dos profissionais de saúde.

“Investir na saúde, como na educação, na ciência, na cultura”, defendeu.

Em relação aos professores, a líder do BE recordou a pressão do partido que permitiu a vinculação este ano de 7500 docentes, mas avisou que muitos outros se mantêm precários.

“Vincular professores, cumprir o que ficou já determinado no OE2018 – contar o tempo de serviço dos professores e de todos os trabalhadores do Estado – e respeitar as carreiras integralmente”, defendeu.

Para o OE2019, o BE quer “menos propinas e mais apoios” no ensino superior.

“Repetir que queremos um país qualificado e manter a completa asfixia orçamental dos setores do conhecimento é o absoluto vazio. Qualifica-se o país com investimento. Um por cento para a Cultura é mais do que tempo”, defendeu.

Para os transportes públicos, desde logo a ferrovia, segundo Catarina Martins, também terá de haver verba disponível no OE2019 porque “cada tostão que hoje poupamos na CP, gastaremos em dobro ou triplo na recuperação do que se perdeu”.

A justiça não fica de fora das prioridades e, por isso, o BE quer um “pequeno passo, mas essencial para garantir o seu acesso” que é “baixar as custas judiciais” já no próximo OE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Bloco de Esquerda diz que “é este o tempo de investir”