escolas

Bloco pede explicações ao Governo sobre falta de pessoal nas escolas

A iniciativa do Bloco de Esquerda surge depois do mesmo problema ter ditado o encerramento da Escola Anselmo de Andrade, em Almada.

O Bloco de Esquerda quer saber quais as soluções do Ministério da Educação para resolver o problema da falta de funcionários administrativos e auxiliares que, na segunda-feira, ditou o encerramento da Escola Anselmo de Andrade, em Almada.

Em requerimento entregue na Assembleia da República, a que a Lusa teve esta quarta-feira acesso, a deputada eleita por Setúbal e vereadora do BE em Almada, Joana Mortágua, pede esclarecimentos ao Governo sobre a falta de pessoal administrativo e auxiliar em diversos estabelecimentos de ensino, lembrando que algumas escolas foram forçadas a encerrar vários serviços.

A iniciativa do BE surgiu na sequência do encerramento da Escola Anselmo Andrade, em Almada, distrito de Setúbal, na passada segunda-feira, alegadamente devido à “falta de condições de segurança que garantam o seu (da escola) normal funcionamento”, situação que afetou os cerca de 1.200 alunos daquele estabelecimento de ensino.

No requerimento, Joana Mortágua começa por perguntar se o Governo tem conhecimento da situação, qual o número de funcionários em falta nas escolas, seja por ausências permanentes, seja por baixas médicas e outros motivos temporários, e quais os serviços que têm sido encerrados devido à falta de pessoal.

Por outro lado, o BE quer saber “quantas escolas são afetadas pelo fim dos contratos com empresas de limpeza que estão a terminar”, situação que os bloquistas dizem agravar ainda mais a situação de alguns estabelecimentos de ensino.

“Muitas vezes as soluções que o Ministério da Educação encontra para atenuar este problema [da falta de pessoal], contratação de empresas de limpeza ou de trabalhadores pagos à hora não vão no sentido correto, pois promovem a precariedade e são soluções meramente temporárias”, refere o requerimento do Bloco de Esquerda.

A deputada do Bloco de Esquerda pergunta ainda o “que irá fazer o Ministério da Educação para resolver o problema crónico de falta de funcionários nas escolas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Bloco pede explicações ao Governo sobre falta de pessoal nas escolas