escolas

Bloco pede explicações ao Governo sobre falta de pessoal nas escolas

A iniciativa do Bloco de Esquerda surge depois do mesmo problema ter ditado o encerramento da Escola Anselmo de Andrade, em Almada.

O Bloco de Esquerda quer saber quais as soluções do Ministério da Educação para resolver o problema da falta de funcionários administrativos e auxiliares que, na segunda-feira, ditou o encerramento da Escola Anselmo de Andrade, em Almada.

Em requerimento entregue na Assembleia da República, a que a Lusa teve esta quarta-feira acesso, a deputada eleita por Setúbal e vereadora do BE em Almada, Joana Mortágua, pede esclarecimentos ao Governo sobre a falta de pessoal administrativo e auxiliar em diversos estabelecimentos de ensino, lembrando que algumas escolas foram forçadas a encerrar vários serviços.

A iniciativa do BE surgiu na sequência do encerramento da Escola Anselmo Andrade, em Almada, distrito de Setúbal, na passada segunda-feira, alegadamente devido à “falta de condições de segurança que garantam o seu (da escola) normal funcionamento”, situação que afetou os cerca de 1.200 alunos daquele estabelecimento de ensino.

No requerimento, Joana Mortágua começa por perguntar se o Governo tem conhecimento da situação, qual o número de funcionários em falta nas escolas, seja por ausências permanentes, seja por baixas médicas e outros motivos temporários, e quais os serviços que têm sido encerrados devido à falta de pessoal.

Por outro lado, o BE quer saber “quantas escolas são afetadas pelo fim dos contratos com empresas de limpeza que estão a terminar”, situação que os bloquistas dizem agravar ainda mais a situação de alguns estabelecimentos de ensino.

“Muitas vezes as soluções que o Ministério da Educação encontra para atenuar este problema [da falta de pessoal], contratação de empresas de limpeza ou de trabalhadores pagos à hora não vão no sentido correto, pois promovem a precariedade e são soluções meramente temporárias”, refere o requerimento do Bloco de Esquerda.

A deputada do Bloco de Esquerda pergunta ainda o “que irá fazer o Ministério da Educação para resolver o problema crónico de falta de funcionários nas escolas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro critânico, Boris Johnson, (E) recebe a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (D) no n.º 10 de Downing Street em Londres.  EPA/ANDY RAIN

Empresas portuguesas têm curso online sobre o brexit

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

Bloco pede explicações ao Governo sobre falta de pessoal nas escolas