Trabalho

Bloco quer acabar com “cortes da troika” no Código do Trabalho

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins. TIAGO PETINGA/LUSA
A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins. TIAGO PETINGA/LUSA

O objetivo é recuperar no pagamento de horas extraordinárias, dias de férias e valores das indemnizações por despedimento.

O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quinta-feira, no parlamento, projetos de lei para “acabar com os cortes da ‘troika’” na legislação laboral, anunciou a coordenadora bloquista, Catarina Martins.

“Começamos esta legislatura, do ponto de vista laboral, com o compromisso que assumimos ao longo da campanha de acabar com os cortes da troika que ainda estão na legislação laboral”, afirmou Catarina Martins, depois de um encontro com uma delegação da CGTP, liderada por Arménio Carlos, na Assembleia da República, em Lisboa.

Em termos práticos, o que o BE pretende é, segundo Catarina Martins, “acabar com aquelas medidas legislativas colocadas no Código do Trabalho ainda no tempo da ‘troika’” e que visam “recuperar o pagamento das horas extraordinárias”, os três dias de férias e as compensações no final dos contratos ou por despedimento.

São medidas que “cortam efetivamente os salários” dos trabalhadores portugueses, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Bloco quer acabar com “cortes da troika” no Código do Trabalho