bolsas

Bolsas europeias em baixa à espera do encontro entre PM grego e OCDE

Europa na expetativa de notícias da Grécia

As principais bolsas europeias seguiam hoje a negociar mistas, atentas ao encontro entre o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o secretário-geral da OCDE, Angel Gurria.

Cerca das 9,10 horas em Lisboa, o EuroStoxx 50, índice que representa as principais empresas da zona euro, estava a cair 0,04% para 3.648,61 pontos.

As bolsas de Londres, Madrid e Milão estavam em alta, a avançar 0,66%, 0,30% e 0,18%, respetivamente, enquanto as de Paris e Frankfurt estavam a desvalorizar-se 0,05% e 0,16%.

Depois de ter aberto em alta, a Bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 9,10 horas, o principal índice, o PSI20, estava a ganhar 0,34% para 5.692,36 pontos.

Em Nova Iorque, Wall Street terminou em baixa na quarta-feira, com o Dow Jones a cair 0,16% para 17.635,39 pontos, depois de ter subido a 2 de março até aos 18.288,63 pontos, o atual máximo de sempre desde que foi criado.

Ao nível cambial, o euro continua em queda livre a aproximar-se da paridade face ao ‘bilhete verde’, tendo aberto hoje em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,0565 dólares, contra 1,0580 dólares do fecho de quarta-feira.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou na quarta-feira o câmbio de referência da divisa europeia em 1,0578 dólares.

Entre as referências de hoje, a mais importante é o encontro do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, com o secretário-geral da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), o mexicano Angel Gurria, para formalizar o programa de assistência e trabalho mútuo com que o organismo pretende apoiar as reformas na Grécia.

Em Espanha, o Tesouro lança uma emissão de dívida a longo prazo com a qual espera captar até 4.500 milhões de euros, depois de ter colocado quase gratuitamente 5.000 milhões de euros, com os quais já conseguiu quse 30% das necessidades de liquidez para este ano.

Hoje também deverão ser publicadas a produção industrial da zona euro e as vendas a retalho e os pedidos de subsídios de desemprego semanais nos Estados Unidos.

Entretanto, as negociações técnicas entre a Grécia e a ‘troika’, formada pela Comissão Europeia, (CE), Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI), continuam hoje Bruxelas para rever de forma rápida o programa de assistência financeira a favor daquele país.

Na segunda-feira passada, o BCE arrancou com o programa de compra massiva de dívida soberana e privada, que se traduzirá numa injeção de cerca de 1,4 biliões de euros em 18 meses ou 60.000 milhões de euros por mês.

Para os mercados, este tipo de operação, denominado ‘Quantitative Easing’ (QE), marca uma mudança histórica da política monetária do BCE.

O barril de petróleo Brent para entrega em abril abriu em alta, a cotar-se a 58,11 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 2,7% do que no encerramento da sessão anterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas. (João Silva / Global Imagens)

Cenário severo em 2020. Défice nos 9%, dívida em 142%, desemprego nos 13%

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Apoios à TAP formalizados “em breve” depois de consultas com Bruxelas

Foto: Fábio Poço/Global Imagens)

Costa promete linha para converter AL em arrendamento para jovens

Bolsas europeias em baixa à espera do encontro entre PM grego e OCDE