Coronavírus

Bolsas europeias com quedas acumuladas superiores a 11%

Fotografia: Ramon Van Flymen/EPA
Fotografia: Ramon Van Flymen/EPA

Mercados retraem-se face a um possível impacto negativo do coronavírus na atividade económica

Os receios em torno da expansão do novo coronavírus e o seu impacto na economia global levaram as bolsas europeias a acumular quedas de mais de 11% durante a semana, de acordo com a agência Efe.

A incerteza fez com que os investidores procurassem ativos considerados seguros, como o dólar e dívidas de países com economias fortes, como os EUA e a Alemanha, enquanto o petróleo tem caído continuamente.

Em Wall Street, o índice Dow Jones seguia a descer 2,5% durante a tarde de hoje, a caminho da sua pior semana desde a crise de 2008.

As bolsas europeias também caíram hoje, com Londres a descer 3,18%, Frankfurt 3,86%, Paris 3,38%, Milão 3,58% e Madrid 2,92%.

Durante a semana, a bolsa de Londres acumulou perdas de 11,12%, a de Frankfurt 12,44%, a de Paris 11,94%, a de Milão 11,26% e a de Madrid 11,76%.

De acordo com a Efe, o mercado inglês viveu a sua pior semana desde 2008 e em Espanha o comportamento foi o mais negativo desde maio de 2010.

Na Ásia, Tóquio caiu hoje 3,67%, Hong Kong 2,42%, Xangai 3,71% e Seul 3,3%.

A crise do coronavírus afetou em especial as companhias aéreas e as empresas do setor do turismo, tendo em conta a quebra nas movimentações de pessoas, mas também as petrolíferas, com a queda dos preços.

O Brent regista uma queda de perto de 3%, para 50,6 dólares por barril, o seu nível mais baixo desde dezembro de 2018.

Também o ouro está em queda, apesar de ser um ativo refúgio para os investidores.

O presidente do banco central alemão, Jans Weidmann, reconheceu que o surto de coronavírus é um risco a curto prazo, mas assegurou que “não há uma necessidade premente de atuar do ponto de vista da política monetária”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Bolsas europeias com quedas acumuladas superiores a 11%