finanças pessoais

Bom para os inquilinos, mau para os senhorios

Fotografia: 	
Adelino Meireles
Fotografia: Adelino Meireles

Entrou em vigor o alargamento do período transitório de atualização das rendas antigas, de cinco para oito anos.

Há novidades no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU). A 14 deste mês foram publicadas em Diário da República novas alterações e, no dia seguinte, entrou em vigor, entre outras mudanças, o alargamento do período transitório de atualização das rendas antigas, de cinco para oito anos. Uma boa notícia para inquilinos, menos boa para proprietários.

Há, de acordo com a Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), 115 mil contratos celebrados antes de 1990 em todo o país. Não se sabe quantos destes contratos são habitacionais, mas o presidente da AIL, Romão Lavadinho, acredita que se tratará “da maioria”.

Quando o NRAU entrou em vigor, em 2006, “o regime transitório não teve grande sucesso porque era bastante complicado”, explica Cristina Gouveia de Carvalho, advogada de imobiliário da CMS Rui Pena & Arnaut. Em 2012 foi publicada a lei que tornou o processo “mais apelativo, mais fácil e menos burocrático”. Houve contratos que transitaram imediatamente para o novo regime, diz a advogada. Para os restantes, o procedimento era mais trabalhoso. “O senhorio comunicava a intenção de transitar o contrato, propunha uma nova renda, o regime a aplicar ao contrato e, se fosse de duração certa, o número de anos.”

Depois, o arrendatário indicava se aceitava ou não as condições e, nesta fase, informava o senhorio de que “usufruía de determinadas características que lhe iam conceder um regime especial”. Uma destas condições era que o agregado familiar do arrendatário tivesse um rendimento anual bruto corrigido (RABC) inferior a cinco retribuições mínimas nacionais anuais (RMNA), o equivalente a 38 990 euros. Nesse caso, mediante declaração comprovativa das Finanças, “a renda só poderia ser atualizada tendo como limite máximo 1/15 do valor do locado, ou seja, o valor patrimonial tributário do imóvel”. Mas, independentemente deste limite de 1/15 e “dependendo do rendimento do agregado, havia escalões que podiam diminuir ainda mais o valor da renda”, explica a advogada.

Ao nível destes escalões também há alterações. “Antes as taxas de esforço eram de 25%, de 17% e de 10% do RABC e agora temos também de 15% e de 13%.” Foram introduzidos na lei os limites de 1000 e de 750 euros mensais e o cálculo do limite máximo “vai ter de ser feito em função disto”.

Estas condições deviam manter-se durante cinco anos, mas, com a nova alteração, vão prolongar-se até 2020. De acordo com Cristina Gouveia de Carvalho, esta prorrogação pode levantar problemas. “Acho que há proprietários que estão convencidos de que ao fim de cinco anos vão aumentar a renda. Mais: estão convencidos de que a lei que agora saiu não os afeta, porque é só para os procedimentos que se iniciarem. O problema é que não há uma norma transitória que salvaguarde a aplicação dessas regras para o futuro. Como não há, aplica-se a regra geral, que é muitas vezes sujeita a interpretações – uns puxam para um lado, outros puxam para o outro.”

Para a advogada, não há justificação para o alargamento do prazo. “Não era suposto o Estado ter já os mecanismos de apoio?”, questiona, referindo-se aos subsídios de renda. “É proteção social às custas do proprietário. O senhorio continua a subsidiar a renda do arrendatário.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves EPA/GUILLAUME HORCAJUELO

TAP contrata mil tripulantes, traz 37 aviões novos e liga o Whatsapp (de graça)

Fotografia: João Girão/Global Imagens

Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros

gaspar fmi contas públicas défice dívida

FMI. Dívida mundial atinge máximo histórico de 162 biliões de euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Bom para os inquilinos, mau para os senhorios