Bondstone quer investir 400 milhões em Portugal

A Bondstone já captou o interesse de fundos institucionais ingleses e norte-americanos para desenvolver projetos habitacionais para a classe média.

A Bondstone, empresa de investimento e gestão de ativos imobiliários, quer investir nos próximos dois anos 400 milhões de euros em projetos de habitação para a classe média, escritórios, hotelaria, residências para estudantes e para seniores em Portugal. Para Paulo Loureiro, CEO da empresa e fundador da Louvre Properties, estes são atualmente os segmentos mais atrativos no negócio do imobiliário, dada a elevada procura e a escassez de oferta.

O empresário e ex-diretor executivo da Morgan Stanley em Nova Iorque, que até agora estava centrado no desenvolvimento de projetos residenciais de reabilitação para a classe alta, através da Louvre Properties, já captou o interesse de fundos institucionais ingleses e norte-americanos para este novo foco da atividade. Em carteira, tem já 100 milhões de euros para desenvolver projetos, desde que encontre os ativos certos. O mesmo é dizer, um bom retorno do investimento e um risco reduzido.

Segundo avançou ao Dinheiro Vivo, a Bondstone detetou quatro oportunidades na região de Lisboa para desenvolver residências destinadas à classe média e escritórios, e está agora a negociar com os proprietários. A empresa quer investir nas periferias de Lisboa e do Porto, e também na cidade do Porto.

Mercado inexistente

A aposta na habitação para a classe média levou Paulo Loureiro a encetar várias conversações com a banca, a tradicional financiadora nas operações de compra de casa dos portugueses. Como disse, era necessário precisar qual eram os limites da taxa de esforço das famílias. A conclusão é que o preço de um T2 na periferia de Lisboa terá de rondar os 250 mil euros. Já o valor para um T3 ascende a 350 mil euros.

Nesta matéria, Paulo Loureiro desafia o Estado a apoiar a construção para a classe média, como fez com a reabilitação urbana. Até porque, diz, o Estado português só é proprietário de 2% do parque habitacional, quando nos outros países da Europa a média é 5%. "Se não constrói, devia incentivar o setor privado a dar resposta", defendeu.

A Bondstone está também interessada em entrar no mercado do arrendamento. Como sublinhou Paulo Loureiro, em Portugal não existem edifícios de 50 ou 100 apartamentos para arrendar e esse segmento pode também constituir uma oportunidade. Contudo, há questões legais que ainda estão a ser estudadas.

Reabilitação acabou

Paulo Loureiro está agora a finalizar os projetos em carteira da Louvre Properties, todos de reabilitação para a classe alta. São nove projetos (sete em Lisboa, um em Cascais e outro no Porto) em diferentes fases de desenvolvimento, que implicaram um investimento de 100 milhões de euros e originaram vendas de 130 milhões.

Mas neste segmento vai ficar por aqui, pelo menos em Lisboa. Como afirmou, "a oferta cresceu e a procura está estável. As margens começam a comprimir e já não é um negócio tão atrativo".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de